Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

País - Eleições 2014

Lindberg diz que gestão do PMDB "deu as costas" para o povo

Jornal do Brasil

O candidato do PT ao governo do Rio de Janeiro, Lindberg Farias, afirmou que a gestão de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão “deu as costas” para o povo. Segundo ele, a administração do PMDB no Rio começou bem, criando as Unidades de Pronto-Atendimento Médico (UPAs), mas perdeu “o rumo” no segundo mandato.

Lindberg participou nesta manhã de sabatina promovida pelo canal de TV SBT, pelo jornal Folha de S.Paulo e pelo portal UOL no estúdio da emissora no Rio de Janeiro. “O segundo governo se afastou da pauta da vida das pessoas, deu as costas para o povo. Eles tiveram muita oportunidade. Temos 24 reservatórios de água na Baixada e só funcionam sete”, disse Lindberg, criticando a falta de investimentos para levar água tratada para todo o estado. 

Para o senador, a gestão de Cabral governou para a elite, esquecendo, por exemplo, de promessas para reformar as estações de trem.  

Lindberg criticou os candidatos que prometem instalar Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) em todos os lugares do estado e afirmou que não pode resolver o problema da segurança da noite para o dia. “Quero manter as UPPs. Mas não é sustentável levar UPPs para tudo quanto é lugar. Não é sustentável financeiramente. Sair ampliando é uma política irresponsável. Tem que ganhar a guerra, ampliar. Eu vou equilibrar o jogo. O erro desse governo foi achar que política de segurança é só UPP e não reforçar”, afirmou.

O senador prometeu “fazer freio de arrumação nas UPPs", que segundo ele, não são a solução para todas as regiões. Disse ainda que quer ampliar o número de policiais em áreas como Baixada Fluminense e São Gonçalo. “UPP é para áreas dominadas por tráfico, de grupos armados. Em vários lugares não é UPP que resolve. É policiamento nas ruas. É preciso consolidar isso”, afirmou. 

Lindberg fez uma série de críticas à atual gestão. “Houve um grande distanciamento do governo com a vida do povo. Quero ser o candidato que defenda a pauta da vida das pessoas. A minha candidatura hoje é indispensável para o Rio”, afirmou.

Lindberg acredita que quando o horário eleitoral gratuito na TV e no rádio começar, ele vai subir nas pesquisas de intenção de voto, porque vai se tornar mais conhecido. “Estou me preparando para segundo turno contra o governador Luiz Fernando Pezão, porque ele tem a máquina”, disse o petista. Lindberg admitiu que sua campanha está tendo problemas para arrecadar recursos. “Mas quando começar a campanha na TV e eu subir nas pesquisas, vai melhorar”, afirmou.

Para a educação, cem novas CIEPs 

Prometendo retomar o projeto educacional do antropólogo Darcy Ribeiro - colocado em prática pelo ex-governador do Rio Leonel Brizola - Lindberg disse que pretende investir R$ 1 bilhão para colocar para funcionar cem CIEPs (Centro Integrado de Educação Pública), entre reformas de escolas já existentes e construção de novos prédios. No entanto, para o senador, os CIEPs têm que ser modernos. “Quero fazer o CIEP do século XXI, com tecnologia, ensino profissionalizante, para tornar a escola mais atrativa”, disse durante a sabatina.

Ressaltando que 30% dos jovens do Rio de Janeiro nem estudam nem trabalham, ele disse que há políticas do governo federal que podem liberar recursos para a construção dos prédios e que não vê contradição em investir em obras físicas ao mesmo tempo em que a qualidade dos professores da rede pública e o investimento neles são questionados. “Não é contraditório (investir em prédios). A valorização do professor é fundamental. Eu fiz isso em Nova Iguaçu, quando fui prefeito. O Rio é o estado que menos investe em educação do Brasil”, afirmou.

Com Portal Terra

Tags: #eleições2014, brasil, eleição, Eleitor, urna

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.