Jornal do Brasil

Domingo, 22 de Julho de 2018 Fundado em 1891

País - Editorial

Os azares na escuridão

Jornal do Brasil

O que estaria emperrando o Brasil, impedindo desvencilhar-se de dificuldades acumuladas, como se fosse mau-olhado ou corpo condenado em poderosas macumbas, daquelas tidas como infalíveis em porta de cemitério? Os astrólogos olham o mapa do céu, e afirmam que não estamos conseguindo sair do centro de confusões astrais, a gerar energias negativas; mas há cientistas científicos garantindo que nossos azares sempre são abençoados pelo voto descuidado do eleitor. Seria assim? Na origem de todas as coisas ruins estaria nossa manifestação defeituosa diante da urna?

Com ou sem o concurso de superstições e do exercício do “achismo”, o país tem, sobre seus dias, não apenas os tropeços que nos cavalgam apocalipticamente, como também por não vislumbrar uma saída; um analgésico para as dores. Pois em meio a incertezas, vê-se que a maioria nem consegue dizer, com exatidão, de que se queixa, como diria, em situação semelhante, o líder do laicato católico, professor Henrique Hargreaves: “ninguém está contente com a situação, mas ninguém sabe dizer exatamente por que não está contente”.

Diversamente de outras épocas, desta vez o brasileiro parece se sentir num vácuo, ou sem destino. Mas, voltando-se para pesquisas, seminários profissionais e entrevistas de rua, quanto a esse sentimento a explicação aflora de imediato, para remover aquela dúvida do grande  professor: uma das marcas do momento nacional é que ele coincide, a um só tempo, com o descrédito da população nos três poderes. Num mesmo julgamento, é capaz de desabonar os três, com o rigor da simultaneidade. Vê-se, portanto, o cidadão empurrado para uma espécie de orfandade cívica.

No lastro das explicações possíveis, surge também uma certa diferença do clima de hoje em relação a crises de outros tempos. Até mesmo em relação à experiência sombria das ditaduras de 37 e 64, porque com elas, ao se esgotarem em suas próprias entranhas, abria-se uma janela para a travessia, rumo à morada da redemocratização. Agora, reconquistada na sua plenitude, falta ao brasileiro, de qualquer parte, um norte, um ponto no horizonte.

Executivo, Legislativo e Judiciário foram condenados, juntos, à desconfiança do povo, que não é capaz de identificar neles o alento desejado. Eis aí o ponto mais delicado da questão, a grande dúvida. Se é assim, onde buscar abrigo para uma infinidade de anseios e postulações? Montesquieu, em sua teoria da separação dos poderes, pretendeu vê-los com responsabilidades tripartites, soberanos e interdependentes em seus afazeres. Aqui, conseguimos torná-los separados, mas muitas vezes confundidos em suas missões. Com alguma frequência, confundem ao avançam sobre o poder alheio, como se deu no episódio do esboço de reforma política, tarefa que o Judiciário assumiu, atropelando o Legislativo. Tempo depois, a impropriedade dessa incursão seria objeto de confissão do ministro Luiz Fux, ao lembrar que ”o Parlamento é o lócus por excelência, em que devem ocorrer as deliberações sobre questões políticas fundamentais da sociedade”. 

As decepções da sociedade levaram à convicção de que é sempre duvidoso, para não se dizer impossível, esperar que venham do Planalto grandes realizações em seu socorro. Aliás, vale notar, é um quadro que pode multiplicar complicações, quando presidência da República, Congresso Nacional e o Judiciário se revezam para abarcar e dividir responsabilidades na progressão das incertezas. O exemplo que ocorre, de imediato, é a generosa complacência dos três poderes constituídos ante o desafio da avassaladora política dos juros bancários, que no Brasil assume a dimensão de grave crime, não tolerado em qualquer outra parte do mundo. E então, como ficamos? Contra os juros não há lei, porque Legislativo não se anima a legislar; não se toma providência, porque o Executivo não executa; não há Justiça, porque ela não é justa.

Antes - basta conferir o passado -, as esperanças brasileiras iam bater à porta de, pelo menos, um desses endereços. E hoje?



Tags: brasil, ciência, editorial, esperança, política, sociedade

Compartilhe: