Jornal do Brasil

Sábado, 21 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Economia

Eurozona encerra crise na Grécia, que comemora 'acordo histórico'

Jornal do Brasil

A Grécia comemorou nesta sexta-feira um acordo "histórico" da zona do euro, que encerra oito anos de crise, afirmando que o país "vira a página" com uma dívida agora "viável".

Horas depois de anunciar o acordo em Luxemburgo, o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras cumprimentou um "acordo histórico" em Atenas.

"A Grécia virou a página e sua dívida agora é viável", afirmou o porta-voz do governo, Dimitris Tzanakopoulos. "Acredito que o povo grego pode sorrir, pode respirar novamente".

A imprensa e os analistas, no entanto, moderaram o otimismo, indicando que o respeito às obrigações orçamentárias exigirá uma disciplina férrea. Além disso, o país continuará sendo monitorado de perto por seus credores.

"Seria um erro terrível cultivar a ilusão de que o fim dos programas de ajuda significa um retorno à normalidade", estimou o jornal de oposição Ta Nea. "O que está chegando é uma extrema vigilância que nenhum outro país experimentou" depois de deixar seus programas.

Os credores europeus da Grécia concordaram em reestruturar a elevada dívida helena, acabando com uma odisseia de quase uma década de resgates. Contudo, vai manter os olhos em Atenas para monitorar o cumprimento dos seus compromissos.

- Felicidade -

Em uma reunião do Eurogrupo em Luxemburgo e seis horas de discussões sobre a Grécia, os 19 ministros das Finanças da zona do euro conseguiram chegar a um acordo sobre a forma de aliviar a dívida grega (cerca de 180% do PIB), tendo em vista seu retorno aos mercados a partir de 20 de agosto.

Isso ocorre após vários anos de profunda recessão e três programas de ajuda.

O acordo inclui uma última reestruturação da dívida, para ajudar o país a recuperar sua credibilidade nos mercados financeiros.

"A crise grega termina aqui, esta noite", disse o comissário europeu para Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici.

O ministro grego das Finanças, Euclides Tsakalotos, declarou por sua vez estar "feliz" com o acordo, considerando que agora a dívida "é viável". No entanto, ele ressaltou que seu governo, liderado por Alexis Tsipras, "nunca esquecerá o que o povo grego passou durante esses oito anos" de resgates e reformas.

Sob pressão da Alemanha, algumas medidas de alívio da dívida vão continuar condicionadas à continuação das últimas reformas, algumas delas ao longo de vários meses.

Em 2010, a Grécia, que esteve prestes a deixar o euro cinco anos depois, não foi capaz de continuar a se financiar nos mercados internacionais e teve que recorrer a financiamentos de seus parceiros europeus e do Fundo Monetário Internacional (FMI), em troca de um duro plano de austeridade.

A crise financeira mundial de 2008 se transformou em uma crise da dívida no bloco europeu, que impactou especialmente os países do sul da Europa, como Grécia, Chipre, Espanha e Portugal, e cujas consequências ainda são sentidas.

Agora, apesar de um crescimento de 1,4% do PIB em 2017 e uma estimativa de 1,9% para este ano, e um superávit orçamentário de 0,8% (-15,1% em 2009), a Grécia continua a manter o maior nível de endividamento na zona do euro e de desemprego (20,8%, em fevereiro).

burs-jph/lch/lb/me/eg/mr

Agência AFP


Compartilhe: