Jornal do Brasil

Terça-feira, 22 de Maio de 2018 Fundado em 1891

Economia

Bolsas de NY fecham em baixa, com aposta de Fed mais agressivo na alta de juro

Jornal do Brasil

Os mercados acionários americanos voltaram a encerrar o dia em forte queda, à medida que investidores voltaram a apostar em um cenário de altas de juros mais aceleradas nos Estados Unidos. O noticiário corporativo também pesou e a queda de mais de 4% das ações da Apple minou o otimismo recente com companhias de tecnologia, que apresentaram forte recuo com balanços corporativos batendo à porta.

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,82%, aos 24.462,94 pontos; o S&P 500 perdeu 0,85%, aos 2.670,14 pontos; e o Nasdaq cedeu 1,27%, aos 7.146,13 pontos. Na semana, no entanto, os três indicadores registraram ganhos: 0,41%; 0,55% e 0,65%, respectivamente.

A semana que começou otimista e com as ações voltando a ser procuradas nos Estados Unidos terminou pessimista e com os investidores acreditando que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pode acelerar o ritmo de alta nos juros. Discursos de dirigentes da autoridade monetária contribuíram para o sentimento, que ganhou peso adicional do noticiário corporativo pouco positivo, embora balanços do primeiro trimestre continuem a superar as previsões de analistas quanto a lucro e receita.

A presidente da distrital de Cleveland do Fed, Loretta Mester, afirmou que altas graduais nas taxas de juros são necessárias para manter a recuperação econômica e disse que esse movimento irá blindar a economia de um superaquecimento. Ela defendeu, também, que a inflação em solo americano poderá voltar à meta de 2% do banco central neste ano e que a taxa de desemprego deve cair abaixo de 4% neste e no próximo ano.

Mester teve apoio de outros colegas do Fed. A diretora Lael Brainard apontou que a perspectiva econômica nos EUA é consistente com altas graduais nos juros e que "é encorajador" que a inflação esteja caminhando em direção à meta, movendo-se em linha com o esperado. Já o presidente da distrital de San Francisco do banco central, John Williams, comentou que o aumento nos juros irá continuar nos próximos anos, enquanto a economia está mudando para um cenário que contemple um conjunto mais equilibrado de riscos.

Com o pano de fundo de uma economia mais aquecida em solo americano, investidores se desfizeram de ações, com a crença de que, em breve, o dinheiro ficará mais caro nos EUA. Além disso, o noticiário corporativo não contribuiu para dar equilíbrio à maré baixista gerada pelo Fed.

A Apple foi a empresa que mais sofreu e viu suas ações perderem 4,10% e encerrarem o dia cotadas a US$ 165,72. O papel da companhia foi pressionado por projeções mais negativas da fabricante de chips Taiwan Semiconductor. Além disso, o Morgan Stanley reduziu o preço-alvo para a Apple, de US$ 203 para US$ 200, em meio a especulações de analistas sobre uma demanda futura menor de iPhones.

Com a queda da gigante, o subíndice de tecnologia do S&P 500 fechou em baixa de 1,51%, aos 1.154,71 pontos. Entre outras techs, a Intel perdeu 1,32%, a IBM cedeu 1,90% e a Microsoft caiu 1,15%.



Compartilhe: