Jornal do Brasil

Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Economia

Apesar de nova alta puxada pelo cenário externo, dólar recua na semana

Jornal do Brasil

Na meia hora final do pregão do câmbio nesta sexta-feira, 20, a T-Note de 10 anos renovava máximas e chegou a alcançar maior taxa em quatro anos, o que manteve a alta do dólar à vista no fechamento. A moeda fechou a R$ 3,4090, com valorização de 0,54%. Nesta semana, no entanto, o dólar acumulou queda, de 0,50%. No segmento à vista, o câmbio movimentou US$ 1,25 bilhão e, no futuro, negociava US$ 16 bilhões perto das 17h20.

O dólar registrou fortes ganhos globalmente hoje por conta da alta verificada com mais intensidade dos treasuries desde ontem, o que reforça as apostas em alta dos juros americanos. O T-Bond de 30 anos também renovou máximas durante todo o dia. Segundo um gestor, o mercado operou hoje com muita apreensão em relação ao cenário externo. "A T-Note de 10 anos já desde mais cedo se mostrava pronta para alcançar a taxa mais alta dos últimos anos. Várias moedas acabaram passando por uma reprecificação por conta disso", ele disse. Nos Estados Unidos, a economia se mantém sólida lá, com muitos estímulos fiscais - a principal questão é a inflação futura.

O dia também foi alta do petróleo, com sinalizações de um acordo de cortes da produção global da commodity que inclui membros e aliados da Opep; e de declarações do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em coletiva durante reunião do FMI. Goldfajn voltou a afirmar que o papel do BC é dar tranquilidade e evitar volatilidade além da conta, sem ligação com fundamentos", ao referir-se sobre o câmbio. Ele citou "alguma volatilidade incipiente no mercado financeiro, que começou com o temor de alta da inflação nos EUA e depois veio com disputas comerciais", apontou o presidente do BC, referindo-se a tensões envolvendo os governos de Washington e Pequim. Goldfajn repetiu que o Brasil está preparado para enfrentar um processo mais forte de incertezas nos mercados internacionais, pois tem muitos "amortecedores" para conter volatilidade. "Temos reservas elevadas, swaps cambiais baixos e pequeno déficit de contas correntes", destacou.



Compartilhe: