Jornal do Brasil

Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

Economia

'Project Syndicate': Trump pode acabar com legado diplomático do dólar 

Artigo expõe discussões sobre o papel internacional da moeda norte-americana

Jornal do Brasil

Artigo escrito por Barry Eichengreen publicado nesta segunda-feira (16) pelo noticiário Project Syndicate afirma que já se discute o declínio o domínio global do dólar desde a década de 1960 - ou seja, há mais de meio século agora. Mas os especialistas podem finalmente estar certos, porque o domínio do dólar foi sustentado por alianças geopolíticas que agora estão bem desgastando.

Texto expõe discussões sobre o papel internacional do dólar. Especialistas falam que esta tese pode ser comprovada por ocorrências da frase "desaparecimento do dólar" em todas as publicações em língua inglesa catalogadas pelo Google.

A frequência de tais menções, ajustada para o número de páginas impressas por ano, saltou em 1969, após o colapso do London Gold Pool, um acordo em que oito bancos centrais cooperaram para apoiar a pegada do dólar em ouro. O uso da frase subiu na década de 1970, após o colapso do sistema de Bretton Woods, do qual o dólar era o pêndulo, e em resposta à alta inflação que acompanhou as presidências de Richard Nixon, Gerald Ford e Jimmy Carter na década de 1970 .

Mas o pico foi diminuído pelo aumento nas menções e preocupações correspondentes sobre o dólar a partir de 2001, refletindo o choque dos ataques terroristas que de setembro, e o crescente crescimento do déficit comercial dos EUA, seguido da crise financeira global de 2008.

Os Estados com suas próprias armas nucleares detêm menos dólares que os países que dependem dos EUA para suas necessidades de segurança, aponta editorial do Project Syndicate
Os Estados com suas próprias armas nucleares detêm menos dólares que os países que dependem dos EUA para suas necessidades de segurança, aponta editorial do Project Syndicate

No entanto, mesmo com tudo isso, o papel internacional do dólar sofreu. A parcela de dólares nas reservas em moeda estrangeira detidas pelos bancos centrais e pelos governos do mundo dificilmente se moveu diante desses eventos. O dólar continua a ser a moeda dominante negociada nos mercados cambiais. Ainda é a unidade na qual o petróleo tem preço e é negociado em todo o mundo, apesar das queixas dos líderes venezuelanos sobre a "tirania do dólar".

Para a consternação de muitos comerciantes de moeda, o valor do dólar flutua amplamente, como o aumento, a queda e a recuperação no decurso do ano passado mostraram. Mas isso faz pouco para corroer a atratividade do dólar nos mercados internacionais.

Os bancos centrais ainda detêm títulos do Tesouro dos EUA porque o mercado para eles é o mercado financeiro mais líquido do mundo. E os títulos do Tesouro são seguros: o governo federal não caiu em atraso em sua dívida desde a desastrosa Guerra de 1812.

Além disso, os links diplomáticos e militares dos EUA incentivam os aliados dos Estados Unidos a deter dólares. Os Estados com suas próprias armas nucleares detêm menos dólares que os países que dependem dos EUA para suas necessidades de segurança. Estar em uma aliança militar com um país emissor de moeda de reserva aumenta a parcela das reservas cambiais do parceiro naquela moeda em cerca de 30 pontos percentuais. A evidência sugere assim que a participação das reservas em dólares cairá sensivelmente na ausência desse efeito.

Este link subestimado entre alianças geopolíticas e a escolha de moeda internacional reflete uma combinação de fatores. Os governos têm razões para ter certeza de que o país da moeda de reserva tornará a dívida de serviço de seus aliados uma prioridade elevada. Em contrapartida, esses aliados, ao manter suas responsabilidades, podem ajudar a reduzir os custos de empréstimos do emissor.

Aqui, então, e não em outro imbroglio sobre o teto da dívida federal neste próximo dezembro, é onde está a ameaça real para o domínio internacional do dólar. Como disse um funcionário anônimo do Departamento de Estado dos EUA, o presidente Donald Trump "não parece se preocupar com alianças e, portanto, não se preocupa com a diplomacia". 

Acredita se que Coréia do Sul e Japão possuem cerca de 80% de suas reservas internacionais em dólares. Pode-se imaginar que o comportamento financeiro destes e de outros países mudaria drasticamente, com implicações adversas para a taxa de câmbio do dólar e os custos de empréstimos dos EUA.

Nem é difícil imaginar como esse desgaste poderia surgir. O presidente Donald Trump se colocou em um ponto estratégico: ele precisa de uma concessão da Coréia do Norte sobre a questão das armas nucleares para salvar o rosto com sua base, para não mencionar com a comunidade global. E, para toda a retórica agressiva de Trump e a postura, a única maneira viável de garantir essa concessão é através da negociação. Ironicamente, o resultado mais plausível desse processo é um regime de inspeção que não é diferente do negociado pela administração de Barack Obama com o Irã.

Para chegar lá, a administração de Trump terá que oferecer algo em troca. O pedaço de negociação mais óbvio que poderia ser oferecido para que o regime da Coréia do Norte se sentisse mais seguro é uma redução nos níveis de tropas dos EUA na Península Coreana e na Ásia em geral. Com isso, a garantia de segurança dos EUA para a Ásia irá enfraquecer, proporcionando a China a oportunidade de entrar na violação geopolítica.

E onde China lidera geopoliticamente, sua moeda, o renminbi, provavelmente seguirá, finaliza.

>> Project Syndicate

Tags: bndes, economia, interncaional, le pen, merkel, putin, santander, trump

Compartilhe: