Jornal do Brasil

Terça-feira, 17 de Outubro de 2017

Economia

'Financial Times': PIB da Catalunha pode cair 30% após independência, adverte ministro

Jornal diz que Luis de Guindos acrescentou que desemprego pode duplicar

Jornal do Brasil

Matéria publicada nesta quarta-feira (20) pelo Financial Times conta que de acordo com o ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, o PIB da Catalunha poderia diminuir até 30% e o desemprego ser duplicado se ganhar a independência.

Segundo a reportagem a região, que é responsável por cerca de um quinto do produto interno bruto da Espanha, deverá realizar um referendo sobre a independência em 1 de outubro, um movimento que os tribunais e o governo espanhóis julgaram ilegal.

O deputado Guindos alertou na segunda-feira (18) que o efeito sobre a sociedade catalã e a economia seria "brutal" na sequência de uma divisão da Espanha, em entrevista a Radio Cope. Ele acrescentou que poderia ver uma queda de 25 a 30 por cento no produto interno bruto.

Times aponta que os comentários ocorrem quando Madrid procura aumentar a pressão sobre a Catalunha antes do voto de independência com uma abordagem em duas frentes: primeiro, tomar medidas legais para impedir a votação e, segundo, explicar por que a independência seria um erro.

Na semana passada, o governo ameaçou ações legais contra qualquer um que ajudasse a organizar o referendo, lembra o texto. Durante o fim de semana, a força de polícia nacional paramilitar espanhola confiscou mais de 1,3 milhões de cartazes, panfletos e cartazes pró-independência, acrescenta o diário.

O governo repetidamente disse que não haverá referendo de independência em 1 de outubro. Mas o governo também está tentando explicar por que a independência seria indesejável, analisa o noticiário.

Na segunda-feira, o deputado de Guindos disse que uma saída catalã da Espanha levaria a uma saída automática da UE e da zona do euro, o que significaria que 75 por cento de toda a produção da região estaria sujeita a tarifas de exportação, ressalta Financial Times.

Os bancos na Catalunha reassentariam sua sede para a Espanha, acrescentou, o que criaria "incerteza brutal" na região. O ministro da economia disse que a moeda catalã seria de 30 a 50 por cento menos valiosa do que o euro.

Financial Times fala que as autoridades catalãs afirmam que uma Catalunha independente deve ser capaz de prosperar a longo prazo, uma vez que é uma das partes mais ricas de Espanha com uma população de 7 milhões de pessoas, de tamanho similar à Dinamarca ou à Suíça.

"Os políticos pró-independência também argumentam que o estado será mais rico se não tiver que pagar impostos a Madri que subsidiem as regiões espanholas mais pobres. Um slogan comum da região rica é Madri nos rouba (Madrid nos rouba).

Carles Puigdemont, presidente da comissão Catalã, disse que um voto de sim no referendo proposto em 1 de outubro seria a base para discussões com a UE e que a Catalunha não seria necessariamente expulsa da UE e da zona do euro.

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Européia, disse na semana passada que uma Catalunha independente teria que se candidatar para se juntar ao bloco político, algo que provavelmente seria bloqueado pela Espanha.

Atualmente, os mercados de títulos não foram condicionados pelas tensões políticas em torno da votação. No entanto, a agência de rating Moody's disse neste mês que a votação foi negativa para o crédito, embora espera se que a região continue sendo parte da Espanha, finaliza.

>> Financial Times

Tags: bndes, economia, interncaional, le pen, merkel, putin, santander, trump

Compartilhe: