Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Novembro de 2017

Economia

'The Wall Street Journal': Ataques de Trump colocam em risco exportação de carros do México

País ganhou nove das onze fábricas do setor na América do Norte nos últimos seis anos

Jornal do Brasil

Matéria publicada nesta quarta-feira (11) pelo The Wall Street Journal conta que o México teme a possibilidade de um recuo súbito na sua pujante indústria automobilística, depois que várias montadoras cancelaram planos de novos investimentos no país nos últimos dias ou anunciaram que poderão cancelá-los devido às ameaças do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, de puni-las com impostos de importação. O diretor da Fiat Chrysler Automobiles, Sergio Marchionne, disse na segunda-feira (9) que a montadora pode sair totalmente do México se o governo Trump levar adiante a promessa de impor tarifas sobre os carros importados do México.

O Journal destaca que o México ganhou nove das 11 novas fábricas automobilísticas anunciadas na América do Norte ao longo de seis anos, de acordo com o Centro de Pesquisa Automotiva de Detroit, o que criou centenas de milhares de novos empregos e transformou o país no quarto maior exportador de veículos do mundo, atrás da Alemanha, Japão e Coreia do Sul. Contudo, pelo menos uma dessas novas fábricas — e talvez mais, caso Trump leve adiante seus discurso — não será construída agora, depois que a Ford Motor Co. anunciou na semana passada que estava cancelando seus planos de construir uma fábrica de US$ 1,6 bilhão na cidade de San Luis Potosí, a cerca de 400 quilômetros da capital, Cidade do México. O anúncio alarmou muitas pessoas da região, que cresceu acostumada com constantes anúncios de aberturas de fábricas e de contratação de funcionários. Agora, cerca de 2.800 vagas da fábrica da Ford e milhares de outros empregos indiretos deixarão de ser criados.

Donald Trump
Donald Trump

O diário norte-americano afirma que o México produziu no ano passado 3,5 milhões de veículos leves, em comparação com 1,98 milhão dez anos antes, segundo informou na segunda-feira a associação da indústria automotiva. Apenas nos últimos quatro anos, o México atraiu US$ 17 bilhões em investimento estrangeiro direto (IED) relacionados ao setor automotivo, de acordo com dados do governo. A manufatura automotiva é hoje o segundo maior setor do México, atrás do de processamento de alimentos. As dez montadoras estrangeiras presentes no México e seus 1.300 fornecedores — assim como uma dezena de fabricantes de caminhões pesados e ônibus — empregam 730 mil pessoas diretamente, de acordo com executivos da indústria.

O noticiário acrescenta que a indústria automotiva e de autopeças também responde por grande parte do déficit comercial dos EUA de US$ 60 bilhões com o México, segundo a Organização Internacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. Os consumidores americanos compram mais de 65% dos carros que o México exporta. Isso pode explicar por que Trump tem se concentrado principalmente na indústria automotiva. Na semana passada, o ex-magnata do setor imobiliário criticou a Toyota Motor Corp. pelos seus planos de usar o México para exportar alguns de seus carros Corolla para os EUA, prometendo revidar com um imposto de importação sobre os veículos que ela trouxer cruzando a fronteira.

Por ora, a Toyota e outras montadoras afirmam que vão continuar no México. A diretora-presidente da General Motors Co., Mary Barra, disse na noite de domingo que a companhia não irá transferir sua produção de pequenos veículos do México para os EUA. Poucos lugares no México se tornaram tão dependentes da indústria automobilística do que a região no centro do país. A GM foi pioneira em meados dos anos 90 na cidade de Silao, no Estado de Guanajuato, que na época era um município agrícola. A Nissan, que tem outra fábrica ao sul da Cidade do México, começou a produção em Aguascalientes logo depois.

A Mazda começou produzindo carros há três anos em Salamanca, a cerca de 50 quilômetros ao sul de Silao, e a Honda, mais ou menos na mesma época, em Celaya, nas proximidades. A Toyota está começando a instalação da sua nova fábrica também perto de Celaya. A região tem fácil acesso à fronteira dos EUA e com as duas costas do país por duas ferrovias e uma moderna rede de rodovias de alta velocidade.

WSJ afirma que algumas autoridades mexicanas dizem que será difícil de brecar o crescimento do México como uma plataforma global de produção de veículos. Ao contrário do agora silencioso terreno da Ford, a construção de novas instalações em parques industriais próximos continua a todo vapor.

Tags: ajuste, cartão, cheque, dinheiro, economia, reunião, taxas

Compartilhe: