Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Economia

Petróleo fecha em alta impulsionado pelos cortes de produção

Jornal do Brasil

Os contratos futuros dos barris de petróleo negociados em Londres e Nova York fecharam em alta nesta quarta-feira (11). Os preços da commodity subiram pela primeira vez em três dias, seguindo as notícias do corte de suprimentos sauditas à Ásia. 

O barril de Brent fechou com alta de 3,02%, a US$ 55,26. O barril de WTI fechou em alta de 3,07%, a US$ 52,38.

Mas a dúvida persistente sobre as reduções da produção e sinais crescentes de comércio de outros produtores mantiveram os ganhos limitados.

A Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo, disse a alguns de seus compradores asiáticos que vai reduzir ligeiramente o fornecimento em fevereiro.

Porém, produtores de fora da Opep podem preencher a demanda deixada pelos países da organização. A produção norte-americana está em um movimento crescente, enquanto negociantes europeus e chineses estão vendendo um recorde de 22 milhões de barris do Mar do Norte e Azerbaijão para a Ásia neste mês.

O presidente argentino, Mauricio Macri, anunciou na terça (10) um novo convênio de trabalho no setor petroleiro para melhorar a competitividade e impulsionar os investimentos nos campos de petróleo e gás não convencional de Vaca Muerta, um campo de 30.000 quilômetros quadrados que se estende sobre as províncias argentinas de Neuquén e Mendoza. A área é a segunda reserva do mundo em gás não convencional e a quarta em petróleo de xisto. 

Às 9h35 (de Brasília), o petróleo WTI para fevereiro, contrato mais líquido, subia 0,85%, a US$ 51,25 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). Por volta do mesmo horário, o Brent para março registrava ganho de 0,86%, a US$ 54,10 o barril, na ICE.

Tags: Dólar, Petróleo, alta, barris, economia

Compartilhe: