Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Setembro de 2014

Economia

Ações do Banco Central Europeu favorecem países emergentes

Jornal do Brasil

O Banco Central Europeu adotou uma série de medidas nesta quinta-feira (4) para tentar movimentar a economia do continente, que acabam aumentando a liquidez de países emergentes como o Brasil. Junto com a disputa eleitoral brasileira, o corte da taxa de juros de 0,15% para 0,05% aumenta a atratividade de papéis brasileiros, por exemplo.

Pedro Rossi, professor no Instituto de Economia da Unicamp, lembra que a medida é reflexo do momento ruim na Europa, de continuidade de uma crise que deve permanecer. Os juros mais baixos alavanca as ações de carry trade, e o Brasil, ressalta, atrai muitas operações do tipo devido aos juros altos.

"Essa perspectiva traz, sim, um cenário de alta liquidez para as economias emergentes. Claro que a moeda chave é o dólar, mas o euro e o yen também são importantes, têm algum impacto nas operações de carry trade e no ciclo de liquidez internacional", explica o professor. 

Silvio Campos Neto, economista da Tendências Consultoria, ressalta que a tentativa do Banco Central Europeu pode não dar certo para a Zona do Euro, mas é válida em uma economia muito fragilizada. Ele destaca o impacto no fluxo de capitais e nas taxas de câmbio pelo mundo. 

"A princípio, no curto prazo, há possibilidade de maior volume de recursos, favorecendo, por exemplo, os papéis de países emergentes. Pode representar um período maior de entrada de capitais, com impacto nos ativos do país, valorização do câmbio e da bolsa", esclarece.

O economista reforça que o interesse dos estrangeiros pelo Brasil passa ainda pela definição do quadro eleitoral, favorecendo uma maior liquidez, já que no ano que vem pode haver algum enxugamento, começando pelas medidas do Fed (banco central americano).

>> Ascensão de Marina nas pesquisas anima agentes do mercado financeiro

>> FMI defende aumento de salários na Alemanha para retomada europeia

>> Austeridade alemã gera círculo vicioso na Europa, diz artigo em jornal inglês

O BCE é o banco central responsável pela moeda única europeia, o euro. Sua principal missão é preservar o poder de compra do euro e, desse modo, a estabilidade de preços na área. A taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento do Eurosistema foi reduzida para 0,05%, com efeitos a partir da operação a liquidar em 10 de setembro.

A taxa de juro aplicável à facilidade permanente de cedência de liquidez será reduzida em 10 pontos base, passando para 0,30%. A taxa de juros sobre depósitos overnight foi para -0,20%, taxa que faz os bancos pagarem para deixar fundos no BCE.

Tags: banco central, estimulo, Europa, Juros, redução

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.