Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Economia

Banco Espírito Santo já não pode receber depósitos e conceder crédito

Jornal do Brasil

O "bad bank" que resultou do controle do Banco de Portugal sobre o Banco Espírito Santo (BES) já não pode receber depósitos, conceder crédito, e está sujeito a outras "medidas de intervenção corretiva", segundo informa nesta terça-feira o Jornal de Notícias.

"Com a transferência da parcela mais significativa da atividade e do patrimônio do BES para o Novo Banco, aquele deixou de reunir condições para exercer a sua atividade de forma autônoma ou para continuar a operar no mercado em condições de normalidade", afirma o Banco de Portugal num comunicado, onde revela também que as medidas de intervenção são retroativas a 3 de agosto, quando foi feito o anúncio da solução encontrada para aquele banco.

Na noite de domingo, o Banco de Portugal assumiu o controle do BES e anunciou a separação da instituição em duas, o banco mau ('bad bank') e o Novo Banco.

No que refere ao "bad bank", o conselho de administração do banco central proibiu também a "concessão de crédito e de aplicação de fundos em quaisquer espécies de ativos, exceto na medida em que esta aplicação de fundos se revele necessária para a preservação e valorização do seu ativo".

O chamado "banco mau" é também alvo de dispensa, pelo prazo de um ano, "da observância das normas prudenciais aplicáveis e do cumprimento pontual de obrigações anteriormente contraídas, exceto se esse cumprimento se revelar indispensável para a preservação e valorização do seu ativo, caso em que o Banco de Portugal pode autorizar as operações necessárias".

O chamado "banco mau" ("bad bank") ficou com os ativos e passivos tóxicos do antigo BES e, apesar de continuar a se chamar BES, não tem licença bancária e está em liquidação. É também no 'bad bank' que ficam os cerca de 30 mil acionistas do BES, que deverão perder tudo ou quase tudo.

Investidores vão processar Portugal Telecom por aplicações no GES

A Associação de Investidores e Analistas Técnicos do Mercado de Capitais (ATM) vai entrar com uma ação popular contra as administrações da Portugal Telecom (PT) desde 2001 por causa das aplicações financeiras no Grupo Espírito Santo (GES), segundo o jornal português Oje

"Os réus na ação popular são o conselho executivo da Portugal Telecom e os presidentes dos conselhos executivos e respetivos administradores financeiros, desde 2001 até ao presente momento", disse o presidente da ATM, Octávio Viana.

Ou seja, a associação pretende processar Murteira Nabo, Miguel Horta e Costa, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, entre outros membros das administrações da operadora de telecomunicações portuguesa dos últimos 13 anos.

"A razão é simples: o presidente da Comissão de Mercados de Valores Mobiliários, Carlos Tavares, chegou a mencionar que estas aplicações vinham já desde 2001. Nós fomos obter informações no sentido de confirmar essa informação e descobrimos que em 2001 esta exposição ao grupo GES era de 600 milhões de euros", apontou.

Isso "significa que a materialidade, ou seja, o possível impacto que essa aplicação teria nas demonstrações financeiras era maior" naquele momento "do que seria agora com os 900 milhões de euros" que a PT aplicou na Rioforte, do GES, e que não foi pago à operadora.

"Descobrimos, inclusive, que em 2005 esse valor" atingiu 1,2 bilhão de euros, um montante "muito maior em materialidade e em valor do que os 900 milhões agora falados", salientou Octávio Viana.

"Entendemos que há responsabilidades desde 2001 até ao presente momento", desde há 13 anos, sublinhou.

Para a associação, "os conselhos de administração da Portugal Telecom extravasaram a sua capacidade de exercício, as suas competências, na medida em que o 'core business'" da operadora "não é de um banco, de financiar entidades".

A ATM, que considera que a PT "foi um instrumento usado para financiar o GES", pretende entrar com a queixa em tribunal até final da semana, conforme já tinha indicado anteriormente.

BES recorreu a financiamento de emergência do Banco de Portugal 

Os problemas do Banco Espírito Santo e a falta de ativos para dar como garantia para obter crédito do BCE obrigaram o banco a recorrer a financiamento de emergência, segundo a ata do Banco de Portugal divulgada por uma sociedade de advogados. As informações são do jornal Correio da Manhã.

Esta informação consta da ata da reunião extraordinária do Banco de Portugal (BdP) de 3 de agosto, que foi divulgada na página na internet da sociedade de advogados Miguel Reis & Associados. A Lusa contactou fonte oficial do supervisor e regulador bancário que preferiu não comentar. Conformo noticia o Correio da Manhã, na ata, o BdP refere que o BES estava numa "situação de grave insuficiência de liquidez" nas vésperas de ter sido resgatado e que, "desde o fim de junho até 31 de julho, a posição de liquidez do BES diminuiu em cerca de 3.350 milhões de euros". Por isso, o banco "viu-se forçado a recorrer à cedência de liquidez em situação de emergência (ELA - Emergency Liquidity Assistance) por um valor que atingiu, a 01 de agosto, cerca de 3.500 milhões de euros".

Associação pede indenização para os pequenos acionistas do BES

A associação de pequenos investidores defende que quem participou no último aumento de capital do BES foi lesado. Pede, numa petição pública que conta já com mais de 500 subscritores, que os pequenos acionistas tenham direito a uma indemnização, informa o Jornal de Negócios.

A Associação de Investidores e Analistas Técnicos do Mercado de Capitais (ATM) lançou este sábado uma petição pública em "defesa dos legítimos interesses dos seus associados como pequenos acionistas do BES". Nesta petição, que conta já com mais de 500 subscritores, a ATM defende que estes foram lesados no último aumento de capital realizado pelo banco, pedindo uma indenização para os investidores, diz a reportagem do Jornal de Negócios

>> Armando Almeida assume presidência da PT Portugal

>> Ex-presidente do Banco Espírito Santo tenta transferir bens no Brasil

>> Caso Oi e Portugal Telecom: Calote da Rioforte, gerida pelo Grupo Espirito

>>  Ricardo Salgado é suspeito de favorecer credores

Um histórico do Espírito Santo

De acordo com o NYT, a fortuna da família cresceu substancialmente no início do século 20 sob o comando dos filhos do fundador, Ricardo e Manuel, que estavam dotados de uma rede de contatos, estabelecendo laços com os descendentes da indústria norte-americana, incluindo os Firestones e os Rockefellers. Em meados da década de 1930, o Banco Espírito Santo foi o maior credor privado em Portugal.

O status da família tomou uma dimensão ainda maior durante a Segunda Guerra Mundial, que trouxe desastre para a maioria da Europa, mas transformou Portugal em um centro diplomático e aristocrático. Como uma nação neutra, Portugal era um paraíso para os membros da realeza e políticos, famílias poderosas, como os Rothschilds que fugiam do nazismo, diz o texto do NYT.

Juan Carlos, o futuro rei da Espanha, passou vários anos, com sua família, exilado no Estoril, uma cidade próxima de Cascais. Após a derrubada da ditadura de Portugal em 1974, anos nos quais o Grupo Espírito Santos tinha prosperado, o Salgado, que nasceu em 1944, era muito jovem para se juntar a alguns dos membros mais antigos da família na prisão, após o confisco de ativos do banco. Após a libertação, os executivos da família eventualmente se juntaram por Portugal e outros lugares do mundo.

Ainda de acordo com o jornal, no exterior, eles começaram a reconstruir seus negócios, graças a linhas de crédito dos bancos, mas também graças a ajuda de outras famílias poderosas, como os Agnelli, donos da Fiat, e os Rockefellers. Salgado eventualmente assumiu o comando dos negócios no exterior, depois de ter passado a maior parte dos anos de exílio no Brasil e na Suíça. Em 1989, Portugal começou a privatizar bens que haviam sido apreendidos na revolução, dando a Salgado e sua família a oportunidade de comprar de volta o seu banco com o apoio da França, o Crédit Agricole.

Ele assumiu o controle de um banco menos poderoso do que era antes da revolução de 1974. Ele gradualmente expandiu seu alcance, trazendo-o de volta para o topo, em parte graças a incursões no exterior.

O NYT destaca que historiadores de negócios apontam para a capacidade da família Espírito Santo em superar mais de um século de brigas de família e manter o império intacto. Porém, isso pode estar mudando. No ano passado, a liderança de Salgado no banco foi desafiado por um de seus primos e colegas banqueiros, José Maria Espírito Santo Silva Ricciardi.

Ricciardi forçou um voto de desconfiança contra Salgado em novembro passado. Mas, com o seu próprio pai e patriarca da família, Antonio Ricciardi, apoiava Salgado, o primo Ricciardi não conseguiu muita coisa. Mas dessa vez, o desastre poderia derrubar de vez Salgado, finaliza o texto do NYT. 

Os braços do Grupo Espírito Santo no Brasil

Como o Jornal do Brasil já publicou no início de julho, o Grupo Espírito Santo desenvolve atividades financeiras no Brasil, direta ou indiretamente, desde 1976, dois anos após a Revolução dos Cravos que derrubou o regime salazarista em Portugal. Na época, os acionistas viraram alvo de intensa perseguição política, o banco foi nacionalizado e os principais sócios deixaram Portugal. Iniciaram, então, atividades financeiras no Brasil, na Suíça, na França e nos Estados Unidos, com destaque para a multiplicação dos negócios em terras brasileiras. Informações dão conta de que eles se associaram a grupos brasileiros, participando de operações ilícitas e causando grandes prejuízos. A família retomou o Banco Espírito Santo posteriormente.

>> Crise com Portugal Telecom fere imagem da Oi e prejudica fusão

O processo de internacionalização da Portugal Telecom, iniciado em 1997, esbarra com o mercado brasileiro de telecomunicações em 1998, com a aquisição de importantes entidades, como a Telesp Celular, Telesp Fixa e a Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT). Uma das etapas de privatização no Brasil aconteceu no governo de Fernando Henrique Cardoso, tendo como marco a aprovação da Lei de Concessões, em fevereiro de 1995. 

O objetivo era criar regras gerais para o governo conceder a terceiros o direito de explorar a produção de serviços públicos, a exemplo do setor de geração de energia elétrica e de telecomunicações. A privatização dessas áreas exigiu um esquema complexo de regulação, para alcançar a maior competição do setor, na promessa de eliminação do monopólio público. A maioria dos compromissos de investimento feitos pela Portugal Telecom na época ainda estão no papel.

Tags: bes, crise, economia, Portugal, TELECOM

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.