Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Novembro de 2014

Economia

Novo banco do Brics reflete as aspirações dos países emergentes

Jornal do Brasil

O jornal Global Times, de Pequim, publicou uma reportagem onde diz que o grupo do Brics – formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul –, ao criar o um novo Banco de Desenvolvimento, marcou uma “vitória geopolítica” nos esforços para rebalancear a economia global.

“Desde que o Brics foi criado, o ocidente tem se mostrado cético sobre o futuro do bloco emergente”, diz a publicação. Muitos dizem que o Brics é somente um grupo em que os países tem um rápido crescimento, sem mais nada em comum. Eles acreditam que, quando o boom das commodities acabar, o Brics vai querer.

>>'NYT' comenta por que o Banco Brics foi visto como necessário 

>>FT: Brics é um rival potencial para FMI e Banco Mundial,diz jornal 

>>The Diplomat: Banco do Brics une países com objetivos parecidos, diz revista

>>Brics: especialistas defendem novo banco para combater 'assimetria' econômica

Por um lado, é verdade que as diferenças entre os países é grande, diz a publicação: A china é uma economia com grande poder competitivo na manufatura; a Índia tem uma indústria de software robusta e um terceiro setor grande, mas é vista como fechada e provinciana; a economia brasileira é dominada pela exportação agrícola e a Rússia é completamente dependente de óleo e gás. Comparada com todos esses, a África do Sul é muito menor, economicamente falando.

O jornal afirma ainda que o bloco não deveria ser subestimado em suas aspirações políticas. “Apesar das diferenças, eles compartilham algo em comum: eles estão insatisfeitos com o status quo e acreditam que, juntos, conseguirão lutar por uma ordem internacional melhor. Nesse sentido, o Brics é mais um bloco político do que econômico”, completa a análise do jornal Chinês.

Eles dizem ainda que,  “a voz dos países emergentes são pouco ouvidas na economia global e que essa injustiça tem que ser remediada”. 

Tags: banco de desenvolvimento, brasil, Brics, economia, internacional, ordem internacional

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.