Jornal do Brasil

Sábado, 25 de Outubro de 2014

Economia

El País: morre Norberto Odebrecht, um magnata brasileiro

Jornal do Brasil

A morte de Roberto Odebrecht repercurtiu internacionalmente. O jornal El País publicou uma reportagem na última terça-feira (22) sobre a carreira e morte do empreendedor. Norberto Odebrecht (Recife, 1920) morreu no último sábado (19), aos 93 anos em um hospital na Bahia. O empresário era o líder da maior empresa de engenharia e construção da América Latina.

 De ascendência alemã, começou sua carreira meteórica como empresário recebendo uma montanha de dívidas. A empresa de engenharia do pai não tinha sobrevivido bem na Segunda Guerra Mundial, graças a alta dos materiais de construção, mas venceu sob o comando do jovem empresário. Aos 21 anos, chegou a acordos com bancos e fundou a construtora, que lideraria por cinco décadas. Foi educado em casa e tinha feito tudo no negócio da família.

 Odebrecht, em 2013, foi o nono homem mais rico do Brasil, segundo a Forbes. As empresas da Odebrecht prosperaram durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985) e do chamado "milagre econômico brasileiro". Entre outros projetos, ele construiu a sede de um aeroporto e de uma usina de energia nuclear estatal da petrolífera Petrobras e uma universidade. Durante os anos sessenta e setenta se espalhou para outros países da América Latina e África.

 Odebrecht agora opera em 23 países e emprega cerca de 200.000 pessoas. O grupo inclui a construção, engenharia, petroquímica, energia, construção naval e defesa. No ano passado um volume de negócios de 32 mil milhões de euros, com um lucro de mais de 160 milhões.

Além de suas ligações com a ditadura, o grupo não voluiu sem escândalos: em junho, o Ministério do Trabalho iniciou um processo contra a empresa, por trabalho escravo e tráfico internacional de cana de açúcar na Angola. As concessões de obras públicas da empresa incluem aeroportos, estradas, universidades e, recentemente, as obras de três estádios da Copa do Mundo, imersas em controvérsias devido aos custos e atrasos na construção. Emilio Odebrecht, filho de Norberto preside atualmente o Conselho de Administração. Seu neto Marcelo assumiu como CEO em 2008.

 

Tags: CONSTRUÇÃO, economia, el pais, internacional, morte, norberto, odebrecht

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.