Jornal do Brasil

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Economia

Dilma: com criação de banco, Brics ganha densidade internacional

Executivo indicado pela Índia chefiará novo banco; Xangai foi escolhida como sede

Jornal do Brasil

Após resolver o impasse e definir a instituição do Novo Banco de Desenvolvimento, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a criação de novos mecanismos econômicos multilaterais fazem com que o bloco emergente ganhe mais relevância no cenário internacional. Nesta terça-feira, líderes de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (Brics) deram o passo mais concreto em conjunto desde que começaram a se reunir anualmente, em 2009.

O Brics ganha densidade política e importância no cenário mundial”, disse a presidente Dilma Rousseff em discurso na sessão plenária da cúpula do bloco emergente. “Essas iniciativas mostram que nossos países, apesar de suas diversidades, estão decididos a construir uma parceria sólida e positiva com consequências sólidas e construtivas”, acrescentou.

Dilma lembrou que apesar do cenário econômico internacional adverso, os países-membro do Brics apresentam crescimento superior à média internacional. Ela afirmou também que a convergência de posições entre os Brics “não deve ser confundido como exercício de poder hegemônico ou poder de dominação”.

>> Países do Brics vão investir em inovação tecnológica

>> Brics: especialistas defendem novo banco para combater 'assimetria' econômica

Vladimir Putin, Narendra Modi, Dilma Rousseff, Xi Jinping e Jacob Zuma, em foto oficial na 6ª Cúpula dos Brics
Vladimir Putin, Narendra Modi, Dilma Rousseff, Xi Jinping e Jacob Zuma, em foto oficial na 6ª Cúpula dos Brics

Foram assinados na cúpula de Fortaleza quatro acordos entre os países do grupo emergente. A criação do Novo Banco de Desenvolvimento foi a que envolveu maior concentração diplomática uma vez que se instalou um impasse na escolha da sede da instituição e que país indicaria seu primeiro presidente.

No final, o Brasil – que insistia em deter a primeira presidência – cedeu a chefia do banco para um executivo indicado pela Índia, Xangai (China) foi escolhida como sede do banco, e o ato foi definido. O capital previsto para o banco é de US$ 100 bilhões – o fundo inicial será de US$ 50 bilhões – com divisão igualitária das cotas entre os cinco membros. 

Para Dilma, países do Brics vivem momento especial em Fortaleza

Ao sair de reunião com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin; da China, Xi Jinping; da África do Sul, Jacob Zuma, além do primeiro-ministro da Índia, Narenda Modi, na manhã de hoje (15), a presidente Dilma Rousseff escreveu, em seu perfil no Twitter, que o Brics (bloco formado pelos quatro países e o Brasil) vive um momento especial.

Segundo a presidente, isso ocorre em função do fortalecimento de duas iniciativas que estão sendo debatidas durante encontro em Fortaleza.

"A primeira é a criação do Novo Banco de Desenvolvimento, instituição voltada ao financiamento de projetos de infraestrutura. A segunda é uma linha de contingenciamento de reservas, um seguro do #Brics contra a instabilidade do mercado financeiro internacional”, tuitou a presidenta. Os chefes de Estado já participaram da primeira reunião privada de trabalho da cúpula, e posaram para foto oficial. Dilma postou no Twitter uma foto do encontro. 

Mais cedo, Dilma disse que está otimista com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento do bloco e do Acordo Contingente de Reservas.

Com Portal Terra e Agência Brasil

Tags: bloco, brasil, cHINA, índia, russia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.