Jornal do Brasil

Domingo, 18 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Economia

Um dia depois de condenação, Argentina tem nota da dívida rebaixada

Agência Brasil

Um dia depois de ser condenada a pagar US$ 1,33 bilhão a credores norte-americanos, a Argentina teve a classificação da dívida soberana rebaixada. A agência de classificação de risco Standard & Poor's reduziu de CCC+ para CCC- a nota da dívida pública do país vizinho.

Em comunicado, a Standard & Poor's informou que rebaixou a nota por considerar que a condenação, pela Corte Suprema dos Estados Unidos, aumenta o risco de novo calote da dívida pública do país. “O governo da Argentina tem capacidade limitada de pagar os credores que entraram com a ação e, ao mesmo tempo, o serviço da dívida”, destacou o texto.

Ontem (16), a Corte Suprema dos Estados Unidos rejeitou os recursos do governo argentino para reverter as decisões de primeira e de segunda instância que obrigaram o país a pagar US$ 1,33 bilhão referentes ao calote da dívida pública em 2001. Entre 2005 e 2010, os governos de Néstor Kirchner e Cristina Kirchner propuseram um acordo de reestruturação da dívida não paga, que não foi aceito por 7% dos credores privados, que recorreram à Justiça norte-americana.

O governo argentino ameaçou manter a inadimplência. Em discurso em cadeia nacional ontem à noite, a presidenta Cristina Kirchner explicou que, apesar de a quantia ser relativamente baixa, o governo hesita em desembolsar o montante.

De acordo com Cristina, o cumprimento imediato da ordem da corte norte-americana abriria precedente para os grandes credores, que tinham aceitado o acordo de reestruturação, cobrarem dívidas de até US$ 15 bilhões, que equivalem a mais da metade das reservas do Banco Central do país. Hoje, o ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, anuncia medidas para evitar que o país entre em default técnico – termo que, em economia, define o calote.

Tags: Argentina, agência, economia, nota, rebaixamento

Compartilhe: