Jornal do Brasil

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Economia

Bolsas globais fecham com resultados mistos com PIB dos EUA

Investimentos e Notícias

As principais bolsas de valores mundiais encerraram o pregão desta quinta-feira, 29, sem tendência definida depois da divulgação do PIB dos Estados Unidos e dados de emprego norte-americano. Aqui no Brasil, o Ibovespa fecha com desvalorização.

Na Ásia, a maioria das bolsas encerrou o pregão em alta. Por outro lado, o feriado local em alguns países europeus diminui os negócios nas bolsas da região, que operam em direções opostas.Na Europa, as principais bolsas caíram em função do feriado em diversos países da Europa que acalmou os negócios e da divulgação de dados importantes da economia americana, dizem os negociadores. Em Londres, o índice FTSE 100 teve alta de 0,24%, a 6.867,93 pontos. Em Paris, o CAC 40 caiu 0,11%, a 4.526,78 pontos, e o DAX 30, em Frankfurt recuou 0,05%, a 9.934,60 pontos em comparação com o fechamento de quarta-feira. Em Madri, o IBEX 35 registrou queda de 0,27%, com a divulgação de dados oficiais que confirmaram que a economia espanhola cresceu somente 0,4% no primeiro trimestre.

Por lá, o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) anunciou que a economia da Espanha cresceu 0,4% no primeiro trimestre, o que confirma a recuperação iniciada no segundo semestre de 2013. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) na comparação com o último trimestre de 2013 está dentro das previsões, segundo o INE.Em Wall Street, bolsas fecharam em alta com dados locais. Com isso, o índice Dow Jones ganhou 0,39% aos 16.698 pontos; o S&P 500 avançou 0,54% a 1.920 pontos; e a bolsa eletrônica Nasdaq subiu 0,54% aos 4.247 pontos.

Hoje, o departamento do Comércio dos Estados Unidos anunciou que a economia americana se contraiu mais que o previsto no primeiro trimestre. O Produto Interno Bruto (PIB) americano retrocedeu 1% em termos anuais no período janeiro-março.Contudo, os pedidos semanais de seguro-desemprego nos EUA caíram mais que o previsto na semana concluída em 24 de maio, segundo dados do departamento do Trabalho. Os novos pedidos ficaram em 300.000, segundo dados corrigidos de variações sazonais, o que implica uma queda de 27.000 em relação à semana anterior.

Aqui no Brasil, o Ibovespa encerra o pregão em queda com bancos e Petrobras. Com isso a bolsa registrou desvalorização de 0,76%, aos 52.239 pontos. O giro financeiro da bolsa marcou R$ 4.533 bilhões.

Na agenda de indicadores internos, a Fundação Getulio Vargas (FGV) revelou que o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), um dos índices utilizados para reajustar os contratos de aluguel, registrou variação de -0,13%, em maio. Em abril, o índice variou 0,78%.Por outro lado, o número de famílias endividadas aumentou em maio, atingindo 62,7% dos brasileiros, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) que a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulga hoje. Apesar da alta, este número é inferior aos 64,3% registrados em maio do ano passado.

Ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve a taxa Selic em 11,00% a.a., sem viés. Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Alexandre Antonio Tombini (Presidente), Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Carlos Hamilton Vasconcelos Araújo, Luiz Awazu Pereira da Silva, Luiz Edson Feltrim e Sidnei Corrêa Marques.Na renda fixa os juros futuros fecharam em queda. O contrato de DI, com vencimento em julho de 2014, o mais negociado, terminou com taxa anual de 10,81. Uma desvalorização de 0,27% em relação ao dia anterior.

E o dólar comercial encerrou a sessão em queda após a divulgação do PIB dos Estados Unidos. Com isso, a moeda americana fechou com desvalorização de 0,46% cotado a R$2,224 na compra e R$2,226 na venda.

Tags: ações, Bolsa, economia, fechamento, mercado

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.