Jornal do Brasil

Sábado, 1 de Novembro de 2014

Economia

Brics precisam articular alternativa ao neoliberalismo

Brasil e África do Sul, no entanto, ainda carecem de planejamento econômico

Jornal do BrasilPamela Mascarenhas

Especialistas da África do Sul, China, Brasil e Rússia concordam que a integração dos países do Brics está apenas no início, com um longo caminho pela frente, mas que é promissor e pode possibilitar um desenvolvimento econômico com distribuição de renda, contra o neoliberalismo criado pelos europeus e americanos no século passado. Eles têm esperança que a 6ª Cúpula dos Brics, que será realizada em Fortaleza (CE) em julho, fortaleça questões importantes como a criação do Novo Banco de Desenvolvimento dos Brics e de um fundo de investimentos em comum, essenciais para que a necessária integração seja efetivada. Ainda falta, porém, planejamento efetivo ao Brasil e à África do Sul, como foi implantado na China e na Índia nas últimas décadas.

>> Especialistas dos Brics abrem conferência para debate de soluções, no Rio

“O Colapso do paradigma neoliberal em economia e as perspectivas econômicas dos Brics no contexto mundial” foi o tema central da primeira mesa redonda da Conferência Brics no Século 21, organizada pela Coppe e pela Intersul, com a participação de especialistas dos países do grupo. O consenso é que não basta crescer de qualquer forma, mas com distribuição de renda, em uma crítica ao consenso de Washington - conjunto de medidas formulado em novembro de 1989, visando ao desenvolvimento e à ampliação do neoliberalismo.

Dércio Garcia Munhoz, economista, professor titular do Departamento de Economia da UnB até 1996, ex-presidente do Conselho Federal de Economia e do Conselho Nacional da Previdência Social, criticou a grande dependência do Brasil de capital financeiro. O neoliberalismo como foi implantado, adverte, é um inimigo que tem implicações nas decisões políticas, não gerou estabilidade nem crescimento, mas uma grande dependência dos países periféricos, como um "grande tsunami" que não deixou espaço para contestação.

Além disso, Dércio reforça que o Brasil não tem capacidade de planejamento, comentário reforçado pelo especialista Santosh Mehrotra, que também criticou o planejamento recente, mas ainda pouco eficaz, da África do Sul. “Não apenas o Brasil, mas, na América Latina, todos os países perderam a habilidade de planejamento estratégico”, alega Santosh.

Santosh Mehrotra é um indiano PHD em Economia pela Universidade de Cambridge e Conselheiro do Governo da Índia. Ele alerta que, quando a experiência do Brics é analisada, percebe-se que falta um foco em quatro aspectos – no comércio, no investimento, no campo financeiro e na cooperação. A China, por exemplo, é o principal parceiro comercial para todos os outros integrantes do grupo, mas o contrário não acontece. 

Em relação ao fator investimento, ele destaca que, como grande quantidade do comércio se dá pelo investimento em infraestrutura, o investimento entre os países ainda “não é exatamente grande”. Neste aspecto, “não existe integração”.

A questão financeira, contudo, parece estar melhor encaminhada, com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento dos Brics, que pode ser anunciado oficialmente durante a próxima reunião do grupo, e do fundo de reservas. Os países estão apenas começando, todavia, a traçar um caminho para que a real dimensão da importância do grupo seja criada. Sobre a cooperação entre os Estados, destacou avanços principalmente na área farmacêutica e os mecanismos de compras públicas que as quatro nações possuem.

“Falta algo. Não existe tanto comércio, temos pouco investimento entre os países. (...) Nossos países precisam de investimento massivo em infraestrutura”, apontou, indicando que o crescimento médio de 8,4% da Índia de 2004 a 2011 foi resultado do investimento em infraestrutura, que gerou empregos, expansão do consumo e declínio da pobreza.

Soluções precisam ser buscadas com participação sociedade

O fato dos países ainda não estarem alinhados, porém, oferece um grande potencial de articulação para um desenvolvimento sustentável e mais duradouro, como indica Rasigan Maharajh, sul-africano doutor em Filosofia pela Universidade de Lund, da Suécia, e economista especializado em inovação, que foi Coordenador Nacional de Ciência e Tecnologia, no Projeto de Transição Política durante o primeiro governo democrático da África do Sul. 

Ele aproveitou para salientar que uma integração entre os países não se trata de uma avant-garde de luta anti-imperialista. “É importante irmos além, falar dos Brics como uma entidade coletiva. O capitalismo de mercado, na ausência de uma redistribuição de renda, produz oligarquias antidemocráticas, com medidas anticoncorrência e favorável a desigualdades sociais." Daí, então, a importância de uma articulação para criar um novo plano de desenvolvimento, que favoreça a distribuição de renda entre a sociedade.  

Não basta uma união apenas para facilitar o crescimento do PIB, é preciso questionar se os Brics não oferecem a chance de quebrar paradigmas e criar um mundo melhor: “Se ficarmos só no clássico não vamos mudar a economia.” As soluções, no entanto, não estão nos livros, precisam ser buscadas, e com participação da sociedade, alertou.

Vladimir M. Davydov, doutor em economia e diretor do Instituto da América Latina junto à Academia de Ciências da Rússia, disse que não se pode perder tempo em implantar uma real integração entre os países, como um mecanismo de colaboração econômica. Ele aponta para a necessidade de preparação para um nova crise que pode surgir, e que pode fazer os países pagarem muito caro. 

“O Brics não é capaz de promover a revolução, mas de elaborar mecanismos de prevenção contra a crise coletiva. (...) Não podemos ser lentos nesses esforços. Falta energia aos líderes do Brics.”

Uma nova rodada de debates e conferências é realizada nesta quinta-feira (22), no auditório da Coppe/UFRJ, no CT2- Ilha do Fundão. O evento é gratuito. O encerramento, com apresentação do site da Conferência e entrevista coletiva, ocorrerá no dia 23, a partir das 10h, no Hotel Novo Mundo, na Praia do Flamengo, 20. A programação completa está disponível em www.brics21.com.br.

Tags: Brics, conferência, distribuição de renda, economia, século 21

Compartilhe:

Comentários

1 comentário
  • Gerhard Erich Boehme

    Por que com Lula e Dilma o Brasil prefere se relacionar com ditaduras, e não com democracias?

    Talvez o Brasil devesse fazer parte, não do "BRICS", mas dos ABCDE/TZ, grupo que tem a Austrália, Chile, Nova Zelândia, Canadá, Estônia, etc.. E Taiwan que agora integra as 20 nações mais livres do mundo. Assim teríamos os ABCDE/TZ quem sabe?

    Pois é, Lula teve a oportunidade de fazer bons contratos e ampliar o intercâmbio, mas infelizmente se aliou ao que há de pior no cenário político e econômico mundial. Distribui nossos recursos, advindos de uma excessiva carga tributária e empobreceu o país. Em vez de se denominar um BRICS deveria ter feito parte do ABCDE/TZ.

    Explico:

    http://pt.slideshare.net/LucioBorges/o-brasil-caminha-na-direo-errada
    ou
    https://xa.yimg.com/kq/groups/3739225/471761318/name/O+Brasil+caminha+na+direção+errada.pdf

    Perdemos, ou não temos a liberdade como referencial e o desenvolvimento e justiça social como objetivos estratégicos?

    Veja também: http://www.youtube.com/watch?v=Qe9Lw_nlFQU

    O médico Hans Rösling mostra a história do desenvolvimento do planeta nos últimos dois séculos, transformando estatísticas em animação gráfica interativa.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.