Jornal do Brasil

Segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Economia

Dados dos EUA derrubam bolsas globais

Jornal do Brasil

Dados da agenda norte-americana deixam investidores cautelosos e as principais bolsas de valores globais apresentam queda nesta quinta-feira. Na Ásia, as bolsas encerraram o pregão em direções divergentes. Enquanto a chinesa fechou os negócios em alta, a valorização do iene e resultados corporativos desfavoráveis puxaram o mercado japonês para baixo.

Na Europa, as bolsas caminham para um fechamento em campo negativo. Há pouco, o DAX, de Frankfurt, desvalorizava 1,01%, aos 9.656 pontos. E o índice FTSE-100 opera com perdas de 0,58%, aos 6.838 pontos. E o CAC 40 desvalorizava 1,25%, aos 4.444 pontos.

A agência europeia de estatísticas Eurostat anunciou que a Eurozona registrou crescimento de 0,2% no primeiro trimestre de 2014. O resultado ficou abaixo do que era esperado pelos analistas, 0,4%.  A Alemanha foi o motor do bloco de 18 países, com um crescimento de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre, enquanto a França, a segunda economia da região, permaneceu estagnada.

Em Wall Street, o cenário não é diferente e as bolsas recuam. O índice Dow Jones perde 1,21%, aos 16.412 pontos; o S&P 500 recua 1,36%, a 1.862 pontos; e a bolsa eletrônica Nasdaq cai 1,54%, aos 4.037 pontos.

Hoje, o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) revelou que a produção industrial nos Estados Unidos recuou 0,6% em abril. Os analistas esperavam em média de 0,0%, após uma alta de 0,9% em março (cifras revisadas).

Além disso, o Departamento de Trabalho dos EUA publicou que os pedidos de seguro-desemprego no país caíram inesperadamente ao menor nível em sete anos. Segundo dados da semana encerrada em 10 de maio, foram recebidas 297.000 novas solicitações, uma queda de 24.000, o menor nível desde maio de 2007.

Aqui no Brasil, o Ibovespa apresenta perdas em linha com o mercado internacional. Há pouco, o índice, desvalorizava 1,25%, aos 53.729 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 1.746 bilhão.

Do lado corporativo, a GOL anunciou o resultado consolidado do primeiro trimestre de 2014. O lucro operacional (EBIT) atingiu R$144 milhões no 1T14, aumento de 43% em relação ao 1T13. Com esse resultado, a companhia atingiu uma margem operacional de 5,8% no trimestre. No acumulado dos últimos doze meses, o EBIT registrou R$309 milhões e a margem operacional foi de 3,3%.

Já o dólar opera com alta de 0,81%. Há pouco, a moeda era vendida a R$ 2,227.

Tags: baixa, Bolsas, economia, EUA, mercado

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.