Jornal do Brasil

Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Economia

WSJ: Brasil considera aumentar impostos para pagar estímulo em programas sociais

Segundo jornal norte-americano, aumento da carga tributária seria nas importações e nos automóveis

Jornal do Brasil

O jornal norte-americano The Wall Street Journal publicou uma matéria nesta segunda-feira (5) afirmando que o governo brasileiro está considerando aumentar os impostos em importações e nos automóveis para pagar pelos estímulos nos programas sociais, na medida em que a presidente Dilma Rousseff vê sua popularidade cair próximo à época de eleições.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, teria dito que o alargamento da carga tributária acompanharia o corte nos gastos. O pronunciamento veio após o anúncio de Dilma de que haveria um aumento de 10% no programa Bolsa Família, por meio do qual milhões de brasileiros extremamente pobres recebem dinheiro todo mês. Desde 2011, o pagamento subiu 44%. Agora, o menor benefício é de R$ 77 reais, garantindo que 36 milhões de pessoas não caiam na pobreza extrema, segundo o governo.

De acordo com a reportagem, o Brasil vem lutando para ajustar a economia a um novo ambiente no qual o crescimento diminuiu bastante e o retorno dos impostos não acompanhou o crescimento nos gastos. O país também não estaria podendo contar com os fortes preços das commodities para auxiliar no desenvolvimento financeiro. O texto afirma que o governo conseguiu evitar uma recessão ao aumentar a despesa pública, mas que o crescimento se manteve fraco. 

Ao mesmo tempo, milhões de novos consumidores estariam fizeram com que a demanda permanecesse alta, dando espaço para que os preços subissem, reduzindo o poder de compra dos beneficiários do Bolsa Família. O texto aponta que o Banco Central combateu a inflação elevando a taxa de juros, mas que os críticos dizem que o governo também precisa reduzir os gastos públicos para manter os preços baixos.

Tags: bolsa família, economia, gastos, impostos, inflação

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.