Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Economia

Avaliação da indústria sobre condições financeiras atinge pior nível desde 2009

Agência Brasil

A satisfação do empresário industrial brasileiro com a margem de lucro, situação financeira e o acesso ao crédito atingiu, no primeiro trimestre deste ano, o pior nível desde o segundo trimestre de 2009. De acordo com a pesquisa Sondagem Industrial, divulgada hoje (23) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o indicador relativo ao lucro ficou em 42 pontos, e o relativo à situação financeira em 47,2 pontos. A avaliação sobre o acesso ao crédito ficou em 39,2 pontos. Resultados abaixo da linha divisória de 50 pontos são considerados ruins, segundo a metodologia da pesquisa.

Para a CNI, os dados dos primeiros três meses de 2014 indicam que “a retomada do investimento está cada vez mais distante”, em razão da falta de confiança dos industriais quanto à execução de medidas que revertam o quadro da baixa competitividade. A entidade criticou “a elevação das taxas de juros, que encarece o investimento e limita a expansão do consumo”.

A Sondagem Industrial avalia mensalmente a opinião dos empresários sobre questões como evolução da produção e o uso da capacidade instalada.  Ao fim de cada trimestre, questiona, também, as condições financeiras dos participantes. Os resultados da sondagem relativos a março mostram uma indústria desaquecida. De acordo com a pesquisa, no mês passado, a produção industrial caiu pela quinta vez consecutiva, ficando em 48,8 pontos.

A utilização da capacidade instalada ficou abaixo da usual, atingindo 42,9 pontos, o que demonstra ociosidade. O número de empregados igualmente apresentou queda, situando-se em 48,6 pontos. Apenas os estoques ficaram dentro do planejado, em 50,1 pontos. Segundo a CNI, os resultados fracos devem-se, em parte, ao fato de o Carnaval ter sido comemorado em março.

Tags: CNI, empresários, marco, primeiro trimestre de 2014, sondagem industrial

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.