Jornal do Brasil

Segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Economia

População mais pobre é carente de orientação financeira, segundo AEF-Brasil

Informações poderiam ajudar a usar o dinheiro recebido do Bolsa Família.

Agência Brasil

População mais pobre do país continua carente de orientações financeiras, apesar de o Brasil ter tido expressivo crescimento das ações que proporcionam educação financeira. Há, porém,uma parcela da população sem acesso às informações que poderiam ajudá-la a usar melhor o dinheiro recebido por meio dos programas de distribuição de renda, como o Bolsa Família. “ A gente precisa começar a diversificar e buscar formas mais criativas de levar essas informações a essa população de baixa renda”, defendeu hoje (15), Silvia Moraes, superintendente da Associação de Educação Financeira do Brasil ( AEF-Brasil).

Ela se referia ao resultado do 1º Mapa de Educação Financeira no Brasil, feito pelas Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), em parceria com a AEF-Brasil e Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef), com patrocínio da Serasa Experian. O levantamento, no final de 2013, identificou 803 iniciativas de educação financeira, número oito vezes acima da apuração anterior (de 2009). Muitas das iniciativas funcionam no âmbito de órgãos e empresas públicas como o Banco Central, a Comissão de Valores Mobiliários, Superintendência Nacional de Previdência Complementar, Superintendência de Seguros Privados e os ministérios da Fazenda e da Previdência Social.

Mais de metade das ações (60%) são de acesso gratuito, 50% delas disponíveis por meio da Internet, e um terço das iniciativas são do grupo Educação Financeira para o Futuro, desenvolvido por escolas públicas e privadas no atendimento a crianças e jovens. Só nas escolas públicas de ensino médio, as orientações deverão alcançar, em dois anos, aproximadamente 3 mil instituições. Segundo Silvia Moraes, ter cidadãos mais instruídos, significa que o país poderá elevar o nível de poupança e ter maior conscientização no consumo.

O mapa identificou que o acesso às orientações estão favorecendo mais os jovens estudantes, que têm mais facilidade para obter os dados, e por adultos mais velhos, entre 50 e 60 anos, ainda ativos no mercado de trabalho. “Quem se favorece é uma população economicamente ativa, mais consciente sobre a importância de tomar decisões”, apontou ela.

A executiva informou que também estão sendo analisados diferentes perfis de comportamento financeiro. Caso, por exemplo, das reações diferentes entre mulheres e aposentados para se estabelecer programas educacionais. “Tem mulher mais empreendedora, independentemente da condição socioeconômica; tem mulheres com dificuldade na tomada de posição financeira, por causa da baixa autoestima. E entender bem o comportamento, permite que a gente crie formas alternativas de chegar até elas”, justificou Silvia.

Tags: bolsa família, economia, FINANÇAS, ORÇAMENTO, orientação

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.