Jornal do Brasil

Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Economia

Cenário internacional agita bolsas globais nesta terça-feira

Dow Jones caiu mas agora tem alta, enquanto europeias têm baixas influenciadas por crise da Ucrânia

Jornal do Brasil

As principais bolsas de valores do mundo registraram queda nesta terça-feira (15), influenciadas pelo cenário mundial. No Brasil, o Ibovespa chegou a cair 3,31% no início da tarde, mas a queda foi amenizada e fechou com perda de 2,21%, a 50.454 - a quinta queda em seis pregões e a maior desde o início de fevereiro. Na Europa, a tensão na Ucrânia deixa suas marcas nas bolsas. Nos Estados Unidos, dados decepcionantes da indústria norte-americana garantiram um movimento de baixa em Wall Street, mas o índice Dow Jones e S&P 500 voltaram a operar no positivo, depois de queda de 0,5%.

Na Europa, as tensões com a Ucrânia prevalecem e as bolsas caminharam para um fechamento em baixa. O DAX, de Frankfurt, desvalorizou 1,77%, aos 9.173 pontos. O índice FTSE-100, de Milão, fechou com queda de 2,33%, a 20.817,49 pontos. E o CAC 40, de Paris, desvalorizou 0,89%, aos 4.345 pontos. O Financial Times Stock Exchange 100 (FTSE 100), principal índice da Bolsa de Londres, fechou cotado em 6.541,61 pontos – uma desvalorização de 0,64%.

A Rússia declarou que a Ucrânia está a beira de uma guerra civil e Kiev teria lançado uma operação antiterrorista contra separatistas pró-Moscou. A Ucrânia acusou a Rússia de ter "projetos brutais" para desestabilizar o Sul e o Leste do país.

O Instituto de pesquisas Zentrum für Europaische Wirtschaftsforschung (Zew), que mede a confiança na economia, revelou que o índice ZEW sobre as expectativas de evolução da conjuntura da Zona do Euro atingiu os 61,2 pontos em abril, ficando abaixo dos 61,5 pontos registrados em março. O índice, no entanto, ainda ficou acima do esperado pelo mercado. Já o Office For National Statistics anunciou que o Índice de Preços ao Consumidor do Reino Unido recuou 0,2% em março, em relação ao mês anterior, e 1,6% comparado ao mesmo período de 2013.

Em Wall Street, o índice Dow Jones chegou a perder 0,49% aos 16.094 pontos, mas fechou com alta de 0,55%, a mas no meio da tarde registrava alta de 0,5%, a 16.262,56; o S&P 500 também chegou a recuar 0,56% a 1.820 pontos, mas encerrou com alta de 0,68%, a 1.842 pontos; e a bolsa eletrônica Nasdaq chegou a cair 1,47% aos 3.963 pontos, mas fechou com alta de 0,38%, a 3.487. O Departamento do Trabalho anunciou que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou 0,2% em março, na comparação com fevereiro, acima do esperado por analistas. O índice Empire Manufacturing de atividade, que revela as condições de negócios para os fabricantes, registrou queda em abril, de 5,61 pontos para 1,29 pontos. De acordo com o Fed, no entanto, as condições das atividades dos negócios ficaram estáveis no mês.

Discurso de Janet Yellen, presidente do Federal Reserve (Fed), também ganhou destaque. Ela declarou que a autoridade considera adotar mais medidas para lidar com riscos à estabilidade financeira. 

Na Ásia, o mercado encerrou o pregão em queda, refletindo a desaceleração dos dados de crédito na China, enquanto o mercado aguarda a divulgação do PIB do primeiro trimestre, que será realizada na noite desta terça-feira (15).  As concessões de crédito bancário no somaram RMB 1,050 trilhão em março, avançando ante fevereiro (RMB 644,5 bilhões) e ficando levemente acima do projetado (RMB 1 trilhão). Da mesma forma, os empréstimos totais – incluindo o sistema bancário e não bancário – chegaram a RMB 2,070 trilhões no mesmo período, superando o consenso (RMB 1,850 trilhão) e o emprestado em fevereiro (RMB 938,7 bilhões).

Aqui no Brasil, o Ibovespa chegou a apresentar queda, influenciado pela desvalorização das ações da Vale e também da Petrobras, que no entanto não tiveram as maiores baixas do dia. Dados externos e internos também contribuíram para o pregão negativo. O índice chegou a cair 3,31% no início da tarde, mas a queda foi amenizada e fechou com perda de 2,21%, a 50.454. O giro financeiro foi de R$ 7,19 bi. Das 72 ações do Ibovespa, 67 fecharam o dia em queda.

As ações da Vale fecharam com queda 4,62%, e estariam sendo influenciadas pelo desempenho da China, data ex-provento dos ativos (data em que a ação começa a ser negociada com o provento já descontado do seu valor) e antecipação dos investidores ao vencimento das opções. A Vale informou que concluiu a transação anunciada em 18 de Setembro, transferindo 20% do capital total da VLI S.A. (VLI) para a Mitsui & Co. Ltd. (Mitsui) por R$ 1,5 bilhão e 15,9% para o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (FI-FGTS), cujos ativos são administrados pela Caixa Econômica Federal, pelo valor de R$ 1,2 bilhão.

Já a Petrobras fechou com queda de 3,83%. A presidente Graça Foster falou na tarde de hoje sobre as denúncias de corrupção na estatal. A executiva iniciou sua exposição com números relativos a 2013, que atestam o crescimento do parque de refino de petróleo. Entre os temas a serem abordados, estava a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, investigada por suspeita de superfaturamento.

A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) reduziu a nota de crédito de mais nove bancos brasileiros. Os bancos que tiveram notas rebaixadas foram: ABC Brasil, Mercantil do Brasil, Indusval & Parners, Intermedium, Paraná banco, Banco Fibra, Banco de Brasília (BRB), Banco Pan e BTG Pactual.

De acordo com o IBGE, o Comércio Varejista do País variou 0,2% em fevereiro, tanto em volume de vendas quanto em receita nominal, em relação ao mês anterior. Na renda fixa, os juros futuros operam em queda. Para finalizar, o dólar opera com alta de 0,90%. Há pouco, a moeda era vendida a R$ 2,236.

* Com informações da Investimentos e Notícias

Tags: bolsa de valores, brasil, EUA, Europa, russia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.