Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Economia

Para diminuir a dependência dos EUA, China assina acordo de milho com o Brasil

Jornal do Brasil

A China confirmou nesta terça-feira (8/4) a permissão para as importações consideráveis ??de milho brasileiro. A decisão representa mais um passo do gigante asiático para diminuir a sua dependência sobre os EUA para o grão vital. A notícia foi publicada nesta quarta-feira (9/4) no jornal Wall Street, com uma análise econômica do novo quadro no mercado exterior. 

A reportagem destaca que os EUA fornece mais de 90% das importações de milho da China, mas a sua quota de mercado de mais rápido crescimento de milho do mundo foi reduzido à medida que Pequim tem procurado nos últimos dois anos para ampliar sua oferta. O jornal analisa que a mudança ocorrida no país para uma dieta rica em proteínas e a sua crescente industrialização são responsáveis pela alteração nos fluxos comerciais globais, levando a demanda chinesa por milho a um aumento de 39 vezes em volume entre o ano passado e 2009, embora as importações até agora representam apenas cerca de 2% do consumo total de milho da China.

Funcionários do governo alertam para um possível déficit de oferta do produto nos próximos anos, em função da crescente demanda das indústrias de gado e de processamento de alimentos que transformam o grão em subprodutos lucrativos, tais como adoçantes, adesivos e amidos.

Wall Street analisa acordo assinado entre China e Brasil para importação de milho brasileiro
Wall Street analisa acordo assinado entre China e Brasil para importação de milho brasileiro

Pelas análises do jornal, essa demanda pode continuar numa crescente nos próximos anos. Funcionários da cúpula da agricultura disseram ao jornal que desde janeiro a China está importando mais do grão e isso pode aumentar nos anos seguintes. O que significa que os seus empreendimentos no mercado mundial de milho são "uma escolha inevitável".

O acordo com o Brasil, assinado pelo China Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena em 31 de março, vem acrescentar a outros acordos semelhantes já assinados com a Argentina, em fevereiro de 2012, e Ucrânia em novembro. Analistas disseram ao Wall Street que o reconhecimento formal dessa terça foi provavelmente o culminar de vários meses de trabalho para chegar a acordo sobre os tipos de milho brasileiro que a China consideram aceitáveis ??para importação.

O jornal relembrou que o ministro da Agricultura do Brasil, Antonio Andrade, afirmou em novembro que os dois países tinham chegado a um acordo, um documento técnico fitossanitário que define os termos de importações do grão. O Brasil é o segundo maior exportador de milho do mundo depois dos EUA, mas não é o primeiro país latino-americano a marcar tal arranjo no comércio de milho com a China. Argentina, o terceiro maior exportador mundial de milho, enviou para o país o primeiro embarque de milho em grande escala, totalizando 66.000 toneladas em julho. Brasil e Argentina já venderam para a China pequenos embarques de milho no passado, no valor de algumas centenas de toneladas em cada ocasião. Mas ofertas de produtos de segurança, como o do pacto fitossanitário feito com o Brasil, deve pavimentar o caminho para as remessas que podem ser executadas a dezenas ou mesmo centenas de milhares de toneladas em um único mês.

Analistas dizem que o atraso no acordo entre China e Brasil pode ser acontecido por fatores logísticos, incluindo infraestrutura. "Fornecimento de milho do Brasil pode ser bastante volátil e instável", disse o analista do Rabobank Chenjun Pan para a reportagem do Wall Street. Brasil é apenas um entre pelo menos sete outras nações a partir do qual a China tem buscado garantir mais milho.

Em 2011, apenas os EUA, forneceu a China embarques de milho superior a 10.000 toneladas. Mas no ano passado, a China acrescentou a Argentina e a Ucrânia. Algumas mudanças também foram feitas para aumentar a oferta de outros países, incluindo a Rússia e a Índia. No seu auge, em 2012, os EUA foram responsáveis ??por 98% das importações de milho da China. Sua participação no ano passado caiu para 91%.

Enquanto isso, os sistemas de qualidade chineses no ano passado chegaram a um recorde de 545.000 toneladas rejeitadas dos EUA, com suspeita de contaminação com uma cepa geneticamente modificada que Pequim ainda não tem permitido para importação. Mas mesmo assim, os níveis de importação foram elevados nos últimos meses, incluindo compras da Rússia, o que indica que a China continua a ser um comprador oportunista nos mercados globais. 

Os preços globais do milho começaram a assinalar uma escala ascendente nas últimas semanas, mas continuam a ser cerca de 34% inferior ao pico de US $ 333 a tonelada alcançado em julho de 2012, devido às fortes colheitas globais. A China continua a fazer incursões em outros lugares para garantir a sua quota de grãos e alimentos globais. Sua maior comercializadora de grãos pagou cerca de 1,2 bilhões dólares por uma participação majoritária em trader de grãos na holandesa Nidera NV e US $ 1,5 bilhões em um consórcio para uma participação majoritária em uma divisão do agronegócio Noble Group Ltd. 's.

Tags: asiático, exterior, importações, mercado, milho, quota

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.