Jornal do Brasil

Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Economia

'FT' critica efeitos das políticas brasileiras com Petrobras no mercado

Jornal do Brasil

Matéria do Financial Times afirma que boato sobre as intenções de votos para a presidente Dilma Rousseff nas próximas eleições tem afetado o mercado de ações. O controle imposto pelo governo aos preços de combustíveis distribuídos pela Petrobras, para tentar conter a inflação, ganha destaque.

Os investidores teriam corrido para comprar as ações da Petrobras, esperando que a "outrora poderosa liderança" de Dilma contra candidatos da oposição poderia estar diminuindo, abrindo uma oportunidade para a Petrobras retornar à lucratividade.

Para a publicação, a presidente Dilma chegou ao poder em meio a expectativas de que ela seria eficiente em termos de estilo, mas que não conseguiu ganhar a confiança do mercado. O índice de 43% das intenções de votos para Dilma também é lembrado, assim como as críticas de que seu governo teria embarcado em uma série de desventuras de política econômica, que nesta semana levou a Standard & Poor's  (S&P) a rebaixar o rating de crédito do Brasil, "colocando em risco 15 anos de credibilidade duramente conquistada nos mercados financeiros".

A matéria ressalta que candidatos da oposição, como o Governador do Estado de Pernambuco, Eduardo Campos, também têm atacado o suposto problema. Em um discurso, na terça-feira (25), em São Paulo, Campos disse que “há outros países com mais problemas do que o Brasil, mas que existe aqui uma crise de expectativas e de confiança”.

O governo da presidente Dilma rejeita vigorosamente essas críticas, e com razão, diz a matéria. A economia do Brasil cresceu 2,3% no ano passado, abaixo da média anterior do país que era cerca de 4%, mas muito melhor do que o desempenho "medíocre" de outros pares de mercados emergentes, como o México, Rússia e África do Sul. O Brasil também continua resistente contra choques externos, graças às grandes reservas internacionais, sistema bancário relativamente sólido e economia internamente orientada, aponta o FT.

O problema que os investidores têm com o governo de Dilma, destaca a matéria, é que ela sempre pareceu uma "pessoa em uma camisa de força", ansiosa para sair das restrições impostas pela economia de mercado e que, desde de o início, o governo tem sido obcecado em manipular as alavancas da economia, em vez de resolver problemas fundamentais.

Em 2010, quando a política monetária dos EUA levou a uma maior entrada de recursos estrangeiros, o Brasil declarou uma "guerra cambial" nos mercados, impondo impostos sobre os investidores, para tentar fazer com que sua taxa de câmbio fosse mais competitiva. A guerra cambial, acredita o FT, prejudicou a reputação do Brasil como destino de investimento consistente e previsível.

A matéria também lembra que Dilma Rousseff já foi ministra de Minas e Energia e que a Petrobras deveria ter sido um ponto forte em sua administração, mas que foi, em vez disso, um desastre. Apesar de ter feito a maior descoberta de petróleo offshore do mundo, em 2007, as ações despencaram, "por conta da política oficial do Governo de suprimir os preços dos combustíveis para controlar a inflação".

Com Dilma parecendo como favorita nas pesquisas para presidente, economistas se perguntam se o governo iria continuar em um segundo mandato com as mesmas "muito criticadas" políticas ou retornar à postura convencional de seus antecessores.

De qualquer maneira, continua, a maioria prevê que o Brasil será forçado a submeter-se a um ajuste terminando o controle de preços e retornando a disciplina orçamental no próximo ano ou em dois anos, "Dilma gostando ou não". Quanto mais cedo se tratar, após a eleição, menos doloroso será, finaliza a matéria.

Tags: dilma, financial, mercado, Petrobras, times

Compartilhe: