Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Economia

Número de famílias endividadas é o menor desde janeiro de 2013

Agência Brasil

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada hoje (25) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), no Rio de Janeiro, revelou retração do percentual de famílias brasileiras com dívidas em março, pelo segundo mês consecutivo.

O índice caiu de 62,7%, em fevereiro, para 61%, em março. De acordo com a CNC, é o menor patamar desde janeiro de 2013. Houve queda em relação a março do ano passado, quando a taxa ficou em 61,2%. Foram ouvidos 18 mil consumidores em todas as capitais brasileiras e no Distrito Federal.

A economista da CNC, Marianne Hanson, observou, entretanto, que apesar da queda no número de famílias endividadas, subiu o percentual de famílias com dívidas ou contas em atraso (de 19,7%, em fevereiro, para 20,8%, em março) e também daquelas que afiançam não ter condições de pagar suas dívidas, de 5,9% para 7,1%, na comparação mensal.

Marianne disse que o início do ano é um período importante para o aumento da inadimplência registrado em março. “Outros indicadores apontam que a  inadimplência de curto prazo, geralmente, sobe no início do ano, por causa dos gastos extras que ocorrem no período, além de reajustes de preços e tarifas”.

Lembrou que, este ano, outro fator que reforçou a tendência foi o aumento do custo do crédito. “A gente observou na nossa pesquisa que, devido ao aumento do custo do crédito, as famílias se disseram mais comprometidas com dívidas”. A parcela média da renda comprometida com dívidas subiu de 29,7%, em março de 2013, para 30,9%, em março deste ano. Segundo a economista, 22% das famílias disseram ter mais da metade de sua renda comprometida com dívidas no mês pesquisado.Ela salientou que na medida em que aumenta o comprometimento da renda com as dívidas, aumenta o risco de inadimplência. “E o aumento do custo do crédito é o principal fator por trás disso”. Lembrou que a renda vem crescendo a um ritmo mais moderado, o que contribui para que as famílias não acompanhem o crescimento do peso das prestações no orçamento e não possam enfrentar a expansão do custo do crédito.

Em relação ao endividamento, a CNC apontou que devido à maior cautela com relação às dívidas, as famílias acabam preferindo quitar dívidas antigas do que renovar os financiamentos. As condições menos favoráveis dificultam também que uma parcela maior das famílias com contas em atraso possa quitá-las.

Em relação ao nível de endividamento em comparação ao total de famílias, a pesquisa mostra que o percentual das muito endividadas caiu de 12,1%, em fevereiro, para 11%, em março deste ano. Foi observada pequena diminuição de famílias mais ou menos endividadas e pouco endividadas. O percentual reduziu-se de 24,3% para 24%, e de 26,3% para 26%, respectivamente.

Marianne Hanson confirmou que a maior dificuldade em pagar as dívidas se concentra nas famílias de menor poder aquisitivo. Para o grupo com renda até dez salários mínimos, o percentual subiu de 7,2%, em fevereiro, para 8,6% em março de 2014. Na comparação com março do ano passado, a alta foi 1,6 ponto percentual.

“A gente observou,  inclusive, que a queda anual no percentual de famílias com dívidas se deu somente na faixa de renda acima de dez salários mínimos. Essas famílias conseguiram quitar suas dívidas”. Enquanto o percentual de famílias endividadas com renda acima de dez mínimos passou de 57,1%, em março de 2013, para 49,6%, em março deste ano, para as famílias que ganham até dez salários, o percentual subiu, no mesmo comparativo anual, de 61,9% para 63,5%. “As famílias na faixa (de renda) menor continuam mais endividadas do que no ano passado, porque estão com dificuldade de quitar as dívidas, devido ao aumento do custo do crédito”.

O cartão de crédito foi apontado por 74,2% das famílias endividadas como um dos principais tipos de dívida. Seguem-se carnês, para 17,5% dos entrevistados, e financiamento de carro, para 14%.

Tags: consumidor, endividamento, Inadimplência, pesquisa, queda

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.