Jornal do Brasil

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Economia

Alckmin apresenta proposta detalhada para a transposição do Paraíba do Sul

Projeto preocupa Ceivap e pode prejudicar mais de 11 milhões de pessoas

Jornal do BrasilLouise Rodrigues*

Enquanto o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), já apresenta uma proposta detalhada de integração entre o Sistema Cantareira e a Bacia Paraíba do Sul, Sérgio Cabral ainda não se pronunciou caso o projeto se concretize e traga de prejuízos para o Rio. A decisão final ficará a cargo da Agência Nacional de Águas (ANA) e também receberá parecer da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). A decisão será baseada em estudos realizados pela ANA, que tem poder legal sobre as bacias federais.

Na tarde de hoje, Alckmin se pronunciou sobre o projeto, que vem gerando críticas e desconfiança. O governador disse que a proposta é interligar a represa Jaguari com a represa do Sistema Cantareira, com uma regra operadora. Segundo o projeto, toda vez que o nível do Cantareira baixar 35%, a água será bombeada da represa Jaguari para o Cantareira. Quando a água estiver sobrando, será guardada, bombeada e armazenada. A represa Jaguari alimenta a Bacia Paraíba do Sul e tem capacidade de 1,2 bilhão de metros cúbicos de água. Ela consegue armazenar 20% mais água do que os quatro reservatórios do Sistema Cantareira.

Alckmin também falou sobre a construção de um túnel de 15 km de extensão, que ligará a represa Atibainha, em Nazaré Paulista e a represa Jaguari, em Igaratá. O túnel será responsável por bombear cerca de 5.130 litros de água por segundo. O governador também apresentou o prazo de 14 meses para execução da obra, iniciados a partir da autorização de transferência, liciamento ambiental e liberações da ANA e da Aneel.

Segundo avaliação do Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (Ceivap), o projeto de interligação, proposto pelo governo de São Paulo, pode afetar o abastecimento das 184 cidades. Outra preocupação do Comitê está na possibilidade da qualidade da água ser afetada. Em nota, a Secretaria Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, também alegou que a transposição pode comprometer a segurança hídrica de mais de 11 milhões de pessoas e de parcela expressiva da atividade econômica do Estado.

Já Sérgio Cabral, está esperando os estudos da ANA. Ontem, o governador do Rio se pronunciou dizendo que ainda não ofereceu apoio à proposta. Segundo a assessoria de Geraldo Alckmin, os governadores conversaram por telefone: “Ele (Alckmin) explicou a importância da proposta e ambos acertaram que a área técnica da Sabesp mandaria mais detalhes do estudo”.

 

Tags: Ana, aneel, Geraldo Alckmin, Sabesp, Sérgio Cabral

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.