Jornal do Brasil

Quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

Economia

The Economist: o mau humor dos investidores brasileiros

A grama é mais verde do lado de fora

Jornal do Brasil

A revista The Economist faz uma observação sobre o mau humor dos investidores brasileiros em comparação com os estrangeiros que estão otimistas e continuam apostando na economia do país. De acordo com a revista, o Brasil ainda atrai capital externo, mas uma enxurrada de editoriais e artigos na mídia contra o governo, pode ter azedado a opinião dos empresários brazucas. Veja abaixo trechos da matéria. 

O governo brasileiro vem se esforçando nos últimos tempos para mudar a imagem da economia do país abalada por anos de intervencionismo com a percepção de fraco crescimento e alta da inflação. Em fevereiro, a presidente Dilma Rousseff falou docemente aos investidores em Davos, pela primeira vez desde que assumiu o cargo em 2011. No mesmo mês, seu ministro da Fazenda, Guido Mantega, apresentou um orçamento revisto para 2014, com 44 bilhões de reais (US $ 19 bilhões) em cortes e uma meta para o superávit primário de 99 bilhões de reais , ou 1,9% do PIB.

Nos últimos dias, no entanto , a credibilidade do governo tomou um baque . Em primeiro lugar, em 13 de março, Mantega admitiu que os R$ 9 bilhões para apoiar empresas de energia elétrica devido aos altos custos das térmicas acionadas por conta da falta de chuvas, não seriam suficientes. De acordo com o ministro, seriam necessários mais 12 bilhões de reais.

O Tesouro iria desembolsar R$ 4 bilhões, financiados em parte pelo aumento dos já elevados impostos. Os restantes R$ 8 bilhões viriam de empréstimos bancários para a Comercialização de Energia Elétrica Câmara (CCEE), uma câmara de compensação para o mercado de energia elétrica. O custo seria repassado aos consumidores, somente após as eleições gerais em outubro. Não ficou claro porque os bancos privados emprestariam esse montante de recursos a uma entidade privada, sem que houvesse uma discussão sobre ativos como garantia.

Em 17 de março , o ministro da Previdência Social , Garibaldi Alves, disse ao jornal Valor que haveria um déficit de mais de R$ 40 bilhões incluídos no orçamento estava sendo muito otimista, "não discutiram com a gente", disse o ministro. Garibaldi prevê que o déficit da área deverá ficar mais próximo de R$ 50 bilhões, o mesmo do ano passado e em conformidade com as estimativas do setor privado.

Com manchetes como estas não é de admirar que os investidores brasileiros estão pessimistas. Mais desconcertante ainda é o fato de que os seus homólogos estrangeiros parecem estar menos desanimados. Esta é a grande dúvida sobre a economia brasileira: os investidores do país, alimentados com uma dieta diária de notícias amargas, são mais bem informados do que os estrangeiros sobre a condição verdadeira da economia do país? Ou a opinião pública azedou diante de uma enxurrada de editoriais e artigos que tendem a variar de altamente crítico à Dilma Rousseff para furiosamente anti- governo?

Em um recente artigo no Valor, Tony Volpon, um corretor da Nomura, oferece uma explicação alternativa. Considerando a carteira de um investidor típico local, predominantemente formada com ativos brasileiros, as carteiras dos estrangeiros são mais diversificadas. "Quando dizemos que os investidores estrangeiros são mais otimista sobre o Brasil, devemos sempre acrescentar que esta relação leva em conta outros mercados emergentes. Uma razão boa razão para esse otimismo dos estrangeiros é a condição robusta das reservas internacionais brasileiras. Mas por outro há também razões para o descontentamento local: as altas taxas de juros empurradas para cima pela inflação persistente de cerca de 6 % ao ano. Investidores externos institucionais ainda podem emprestar a taxas mais baixas em casa e dispor de dinheiro no Brasil, onde se pode ganhar em torno de 12,75% ao ano ao longo de cinco anos, em comparação com 11,1 % na Turquia, 8,95 % na Índia , 7,9% na África do Sul ou 5,1% em México.

Mas Volpon também acha que os estrangeiros , incluindo as agências de rating, como a Standard & Poors, que está analisando as contas públicas brasileiras, estão apostando em mudanças da política econômica após a eleição, caso Dilma Rousseff vença as eleições. Ele aponta para uma correlação inversa entre os fluxos de capital e qualidade de formulação de políticas econômicas. 

Tags: artigos, dinheiro, editoriais, investidores, país, revista

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.