Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Economia

Brasil deixou de ser tão vulnerável à especulação

A opinião é do economista Paul Krugman

Jornal do Brasil

O Brasil já não é mais um país vulnerável a ataques especulativos como no passado recente e totalmente diferente do que afirmou o Federal Reserve (Banco Central dos Estados Unidos). A afirmação foi feita pelo economista Paul Krugman principal participante do Fórum Brasil: Diálogos para o Futuro, organizado pela revista Carta Capital. Ele ressaltou que entre os Brics, o país que mais pode causar preocupação á economia brasileira é a China que terá dificuldades em sustentar suas altas taxas de crescimento. Segundo Krugman, apesar desse quadro, o FED deverá seguir adotando medidas no rumo da recuperação da economia americana.

 Paul Krugman destacou que os investidores internacionais passaram por uma fase de grande atratividade pelo Brasil e por outros países emergentes e que no momento o que ocorre é justamente o inverso. Segundo ele, esses movimentos são normais com tendências ora para alguma parte do planeta ora para outra. Krugman ressaltou que o real sofreu uma queda, mas nada que possa ser considerado como um colapso e mesmo com aumento da inflação, a dívida externa não preocupa como no passado.

Para o economista, o Brasil, além de outros emergentes, passaram de forma surpreendente pela crise de 2008, apesar dos reflexos negativos da economia dos EUA sobre a América Latina serem historicamente muito fortes. A região e especialmente o Brasil, afirmou Krugman, se saíram muito bem da crise dando a impressão de que não estavam tão expostos como no passado. Para Krugman, o maior problema é com a economia chinesa. O economista destacou que não há como dirgir tanto capital e por tanto tempo para uma economia. A China, disse Krugman, tem uma dívida interna que cresce rapidamente, o que pode apresentar efeitos negativos mais à frente.

De acordo com Paul Krugman, dificilmente um país tem um crescimento contínuo por tanto tempo. A China, disse ele, está muito próxima de uma crise e isso certamente vai afetar a economia mundial. O Brasil deverá ser bastante afetado, segundo o economista, por ser um dos maiores exportadores de commodities para os chineses. Apesar de preocupante, ressaltou ele, não deverá ser também uma catástrofe e o Brasil poderá contornar mais essa crise. Para Krugman, a economia brasileira vem se saindo melhor do que ele esperava.

Tags: além, brasil, economista, emergentes, outros, para

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.