Jornal do Brasil

Sábado, 26 de Julho de 2014

Economia

Premier italiano anuncia corte de 10 bi de euros em impostos

Agência ANSA

Após uma reunião de aproximadamente duas horas com o seu gabinete, o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, anunciou uma série de medidas para reduzir a carga tributária sobre famílias e empresas e impulsionar a economia do país. Entre elas, talvez a mais importante seja o corte no Imposto de Renda para Pessoas Físicas (Irpef, na sigla em italiano) para aqueles que ganham menos de 1,5 mil euros (R$ 4,8 mil) por mês.    

Segundo o premier, essa parcela da população terá um alívio de mil euros (R$ 3,2 mil) por ano em suas despesas. A redução deve começar a valer a partir do dia 1º de maio e custará cerca de 10 bilhões de euros (R$ 32,4 bilhões) a cada 12 meses aos cofres públicos. "A cobertura para esse valor será feita totalmente pelo governo por meio da diminuição de gastos, sem o aumento de outras taxas. O Estado vai apertar um pouco o cinto", garantiu Renzi.    

Além disso, o primeiro-ministro anunciou, também para maio, um corte de 10% no Imposto Regional sobre as Atividades Produtivas (Irap), que incide sobre as empresas. No entanto, neste caso, a medida será compensada com a elevação de 20% para 26% na taxação sobre as aplicações financeiras, com exceção dos títulos públicos. Já o custo da energia para pequenas e médias companhias será reduzido em 10%.    

Para diminuir o desemprego no país, principalmente entre os jovens, Renzi vai instituir em 1º de junho um fundo de 500 milhões de euros (R$ 1,6 bilhão) para as "empresas sociais", ou seja, aquela que reinvestem seus lucros em fins que beneficiem a sociedade, tanto na própria operação como diretamente na comunidade, ao invés de maximizar os ganhos dos seus acionistas.    

O governo ainda vai apresentar no Parlamento um projeto de lei para reorganizar inteiramente o sistema de trabalho italiano, abordando quase todos os aspectos legislativos e econômicos do mercado, como subsídios para desocupados, auxílio-maternidade, entre outros. Os planos do primeiro-ministro também incluem a simplificação dos contratos temporários e de aprendizado.

 

Educação

 Desde que assumiu o cargo de primeiro-ministro da Itália, Renzi tem reiterado constantemente a importância de incrementar a infraestrutura educacional do país. Por isso, ele anunciou a destinação de 3,5 bilhões de euros (R$ 11,3 bilhões) para obras de melhorias nas escolas. Amanhã (13), o premier vai se encontrar com o arquiteto e senador vitalício Renzo Piano para discutir como essas intervenções podem ser feitas com qualidade.

Tags: CORTE, economia, gastos, impostos, italianos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.