Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Economia

'Clarín': Cofco e Nidera fecham negociação milionária para produção de grãos

Jornal do Brasil

O jornal argentino Clarín publica nesta quinta-feira (27/2) que o gestor financeiro do grupo Nidera, o empresário Martin Inhargue, estava pedindo 250 milhões de dólares para expandir os seus negócios no Brasil. Não demorou muito, ele se reuniu com Gaoning Ning, presidente do Cofco, uma estatal chinesa gigante que lidera o comércio de grãos na Ásia. Martin foi informado de que a Cofco fechou a oferta pública de 51% dos grãos da Argentina. A Nidera, que está presente em 20 países, tem 3.500 empregados e um volume de negócios de 17 milhões de dólares, vai reter 49% da gestão dessa empresa.

Ainda nesta sexta-feira (28/2), Pequim deve divulgar o montante da transação milionária. O Clarín avalia os motivos da estatal chinesa fechar a negociação. Os chineses buscam uma garantia no fornecimento de grãos e quer se integrar no chamado "originação de produtos", que o Nidera lidera. Essa exportação, que expandiu-se em biotecnologia e revolucionou genes próprios, com sementes de trigo, significa uma parceria com o melhor parceiro do cobiçado mercado asiático. A chegado da Cofco confirma o crescente investimento chinês no país. Com o Noble Group, a China também divide o comércio de grãos. Com a Cofco as apostas serão em todas as fases de produção.

A Nidera começou na década de 90, com uma fábrica de sementes transgênicas. Foi a primeira empresa a introduzir soja tolerante a herbicida. Desempenha um papel decisivo no cultivo de girassol: um de seus orgulhos é que 5% da cultura europeia vem dos seus campos. E tem se especializado em fertilizantes e agroquímicos. Nidera nasceu na Holanda em 1920, por iniciativa de cinco famílias. Com o nazismo, algumas dessas famílias judaicas chegaram à Argentina. Atualmente, é liderada globalmente pelo holandês Ton van der Laan. Nos últimos anos, a Cofco decidiu multiplicar fora da China. E acrescentou à sua coleção o principal produtor de açúcar na Austrália, parte das contas japonesas da Mitsubischi, além de vinhedos na França e no Chile. Nidera é um dos seus maiores desafios.

O nome Nidera foi criado com base nas primeiras letras dos países em que tinham as subsidiárias. No início do século XX foram os países baixos (Holanda, em Inglês), Índia, Alemanha (Deutschland), Reino Unido (Inglaterra), Rússia e Argentina. Embora seja complicado, atualmente foi acrescentado o Ch.

Tags: Argentina, exportação, fornecimento, genes, grãos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.