Jornal do Brasil

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Economia

Fundos de pensão poderão ter prejuízo bilionário

Operação criativa de banco pode resultar em calote

Jornal do Brasil

O banco BVA, que se encontra em liquidação decretada pelo Banco Central, está montando uma operação bastante criativa que poderá salvar o patrimônio de seus ex-controladores, Ivo Lodo e José Augusto dos Santos. Por outro lado, os credores – principalmente fundos de pensão de empresas estatais – terão um prejuízo de cerca de R$ 3 bilhões. Essa operação tem à frente o BTG Pactual, que faria a transferência das dívidas do BVA para uma nova empresa e os credores receberiam os pagamentos conforme o banco fosse conseguindo receber dos devedores.

Não ficou claro nessa operação a forma como o BTG conseguiria receber dívidas de empresas com extremas dificuldades de caixa e, inclusive, várias em liquidação. Ou seja, crédito totalmente podre. O único ponto claro nessa operação é que, com a transferência dos débitos para uma nova empresa, os ex-controladores do BVA teriam seus patrimônios pessoais liberados. A operação está sendo submetida ao Banco Central que já constatou que os créditos a receber não cobrem nem 20% da dívida do BVA.

Somente com o fundo de pensão dos empregados da Petrobras, o BVA tem uma dívida de quase R$ 1 bilhão; com o Postalis, dos Correios, o montante chega perto de R$ 500 milhões; e com o Refer, da Rede Ferroviária, perto de R$ 200 milhões. A dívida do BVA começou quando o banco decidiu fazer empréstimos de forma agressiva – e muito suspeita – a empresas de pequeno e médio porte, cuja grande maioria não conseguia obter créditos em outras instituições. O direito sobre esses créditos eram vendidos pelo BVA aos fundos de pensão.

Em 2012 o Banco Central decretou a intervenção no BVA ao descobrir que a maioria desses empréstimos não seria pago, o que na época era totalmente previsível. Os ex-controladores estão pretendendo fechar a operação criativa com o Banco Central, ainda no âmbito administrativo, e evitar que o banco seja liquidado e o processo seja encaminhado à Justiça, que cuidaria da falência da empresa. Ao passar para a Justiça, qualquer operação criativa se torna bem mais difícil.

Tags: agressiva, banco, de forma, decidiu, empréstimos, fazer, o

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.