Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Dezembro de 2014

Economia

Houston Chronicle: Argentina cai, mas não arrasta o Brasil

Jornal do Brasil

O jornal americano Houston Chronicle publica nesta segunda-feira (10/2) um artigo do escritor Bradley Brooks, avaliando os reflexos da economia argentina no Brasil. A economia da Argentina enfrenta mais uma vez um processo de desvalorização da moeda e aumento da inflação, mas não tem mais a capacidade de infligir danos econômicos ao Brasil. Segundo o texto de Brooks, quando a Argentina caiu no abismo econômico há uma década atrás, após o calote da sua dívida, o Brasil sentiu as consequências disso, quase seguindo seu vizinho à insolvência.

A economia da Argentina está novamente enfrentando uma desvalorização da moeda e aumento da inflação, mas desta vez a sua capacidade de infligir danos econômicos ao Brasil tem diminuído consideravelmente. Ao longo da última década, o Brasil construiu suas reservas cambiais em 359 milhões de dólares, nove vezes a mais do que foi registrado durante a crise argentina dos anos de 2001 e 2002. Isso significa que o governo brasileiro tem mais espaço para agir contra qualquer momento perigoso da moeda, como resultado da turbulência na Argentina. Classe média do Brasil também tem aumentado em 40 milhões de euros, a criação de novos consumidores que impulsionam a demanda doméstica e fazem fortunas, com o país menos dependente do comércio exterior.

E ao contrário do passado, os investidores estrangeiros fazem a distinção entre as políticas econômicas da Argentina de preços de importação e controles generalizados, contra a rota mais ortodoxa que o Brasil tomou. Como resultado, há menos risco do que os investidores retirarem o seu dinheiro para fora do Brasil e desencadear uma crise de liquidez. "A exposição do Brasil para a Argentina é muito menos do que costumava ser, há muito menos risco de contágio", disse Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco, o maior banco não governamental do país. "Eu não acho que a Argentina vai fazer uma grande diferença para o Brasil".

Enquanto Goldfajn e outros economistas ainda culpam o governo do Brasil por ter pressionado a sua economia com critérios rígidos, consideram as políticas da Argentina muito mais intervencionista nos últimos tempos. Preços da moeda e controles generalizados, além de gastos sociais galopante, tem consumido as reservas externas do país, que caíram pela metade nos últimos dois anos para 27,8 bilhões de dólares. No mês passado, o governo argentino foi forçado a conter dólares para preservar o peso e deixá-lo perder 20% em uma semana.

Em 2002, as taxas de pobreza na Argentina subiram para a metade da população e os tumultos abalaram o país, os bancos congelaram as contas de poupança e a economia encolheu 28%. O tumulto se espalhou para o Brasil, onde o real caiu mais de 50%, em grande parte por causa da Argentina. Hoje, a Argentina continua a ser o terceiro parceiro comercial do Brasil, atrás apenas da China e dos EUA, e as empresas brasileiras exportam muito de seus carros, lavadoras, geladeiras e outros produtos para a Argentina. No entanto, o peso da Argentina, nas exportações totais brasileiras, está diminuindo, passando de 15% de uma década atrás para 8% atuais. Isso tem sido substituído em grande parte com o comércio mais chinês.

Goldfajn e outros economistas disseram que os problemas na Argentina podem cortar 0.3 a 0.4 pontos percentuais fora do produto interno bruto do Brasil este ano, muito menos do que o dano que a Argentina costumava ser capaz de causar. No entanto, isso não significa que o Brasil pode ficar tranqüilo. Programa de redução, do Federal Reserve, ajustou o seu pacote de estímulo maciço e elevou os rendimentos da dívida dos EUA, sugando o dinheiro dos investidores de países emergentes como o Brasil, assim como compradores de títulos que procuram os retornos crescentes sobre a dívida americana mais estável.

Projetada para 7,5%, a taxa de crescimento da China neste ano, abaixo dos dois dígitos recentes, faz pressão sobre o Brasil para encontrar novos compradores dos bens materiais. Na última década, o Brasil tem desfrutado de um boom de exportação de minério de ferro, soja e outros produtos para a China. O Brasil durante esse período não simplificou a sua própria economia ou fez melhorias significativas na infraestrutura, como estradas e portos que poderiam ajudar as empresas brasileiras de forma mais eficiente obter produtos no mercado.

A nota do grupo de pesquisa com sede em Londres, Capital Economics, disse na semana passada que esses problemas de infraestrutura e a redução gradual de estímulo dos EUA significa que o crescimento do Brasil continuará a ser "extremamente fraco", acrescentando que o país é "vulnerável à recessão que se agrava com a turbulência do mercado".

Ainda assim, as chances de qualquer efeito dominó na América do Sul continua a ser pouco provável, disse o grupo. "O mundo emergente se tornou um lugar muito mais diversificado ao longo da última década", diz a nota do Capital Economics. "No passado, as crises financeiras tendiam a varrer de um mercado emergente para o outro, principalmente porque eles compartilharam muitas das mesmas vulnerabilidades. A situação hoje é muito diferente e já não faz sentido para o mundo emergir um único grupo de economias", diz o texto.

Tags: aumento, Desvalorização, economia, inflação, MOEDA, reflexos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.