Jornal do Brasil

Terça-feira, 29 de Julho de 2014

Economia

Clarin: as barreiras às importações de automóveis afetam as relações bilaterais

Jornal do Brasil

Como esperado, as quotas de importação de veículos se transformaram numa preocupação no Brasil, à medida que começam a afetar a atividade de suas fábricas. Em janeiro, foi visto um cenário esperado para o ano: importações argentinas no Brasil apresentando queda de dois dígitos por mês e complicando os terminais brasileiros, que por sua vez, enfrenta um mercado interno estagnado. O panorama foi traçado pelo jornal argentino Clarin, nesta segunda-feira (10/2).

O texto diz ainda que o descontentamento do outro lado da fronteira é fácil de imaginar. Os atrasos e complicações foram objeto de reclamações dos empregadores e das autoridades brasileiras, e motivo do adiamento das negociações bilaterais. Mas, a sucessão de medidas cada vez mais restritivas para a etapa de importação e as contínuas mudanças nas regras dos últimos dois meses, como parte da crise cambial, não surtiu efeito.

A curto prazo, as restrições sobre as importações também pode provocar grandes complicações para exportação dos veículos para o Brasil. E o desempenho dos embarques para este mercado será fundamental para salvar os resultados deste ano e evitar níveis de produção previsto abaixo de 700 mil unidades. É que o mercado interno tende inexoravelmente para níveis mais baixos, devido ao impacto da desvalorização sobre os preços dos carros, a queda na atividade e do aumento das taxas de juros, embora ainda seja incerta a profundidade da queda.

E, a médio prazo, quem tem mais a perder é a Argentina, porque, como a história de imprevisibilidade estão definidas para negociar livremente no bloco, investimentos e atribuições de novos modelos tendem cada vez mais ao Brasil, para garantir a acesso ao maior mercado da região. Este será o quadro que deverá renegociar o Acordo Automotivo bilateral, o resultado será a chave para o futuro da indústria da Argentina nos próximos anos. 

Tags: brasileiros, estagnados, fábricas, importações, terminais

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.