Jornal do Brasil

Domingo, 21 de Dezembro de 2014

Economia

Queda no setor de veículos é atribuído a imposto e fraca demanda brasileira

Jornal do Brasil

De acordo com uma matéria do jornal Página/12, publicada nesta quinta-feira (6/1), a produção de carros em janeiro foi de 36.156 unidades, o que representa uma queda de 17,9% e 19,5% em relação a dezembro, pelos estudos da Associação de Fábricas de Automóveis (Adefa). A queda é explicada pelo desempenho nas vendas de automóveis na Argentina e exportações. O setor automotivo sofreu uma série de medidas de impacto negativo, como a aplicação do imposto sobre veículos de luxo e da ordem oficial para as empresas reduzirem em 20% as suas importações, que se juntaram a demanda fraca brasileira. Além disso, a desvalorização do peso, mas que ocorreu em um período em que as fábricas costumam retardar as suas atividades, o que levou a algumas empresas suspenderem as suas vendas.

O segmento mais atingido foi o de veículos, que caiu 23% no ano. Utilitários registraram uma queda de 4,6%, enquanto pesados, menos importantes na estrutura do setor de negócios, avançou 73,4%. O resultado global foi uma diminuição de 17,9% na produção doméstica.

O país teve uma venda de 46.766 veículos no mercado local, dos quais 34,3% foram fabricados pela sua indústria, e o restante importado, principalmente do Brasil. Vendas no comércio caiu 19,5% na comparação anual. Fábricas entregaram a 19,5% menos do que os carros mais leves, que atingiram 23,3 na queda dos utilitários. Veículos pesados tiveram um avanço de 7,5%. Enquanto isso, a colocação das concessionárias de consumo final, no mês passado, chegou a 107.945 unidades, queda de 0,2% a partir de janeiro de 2013.

Terminais de Exportações alcançaram em janeiro 19.570 veículos, uma queda de 19,1% em relação ao mesmo período de 2013. Em termos absolutos, a queda foi de 4.625 carros, a partir da queda da demanda brasileira, que responde por 90% das exportações dos terminais instalados no país. Menos de 4.499 unidades estavam indo para o Brasil. Chile começou trilhar o caminho de volta das exportações, com 2,9% das saídas do país, a Europa (2,3), Colômbia (1,7), Uruguai (1,4), Paraguai (1,4) e México (0,2), a praça para onde as unidades caíram em 507. 

O jornal informa que já foi publicada a lista de preços correntes pela Acara, organização que reúne as concessionárias. Entre os veículos mais vendidos no mercado local, não afetadas pelo imposto sobre veículos de luxo, a base de um Volkswagen, modelo Gol, o mais vendido em janeiro, subiu em um ano de 53 a 71.200 pesos, 34, 3%. O Ford EcoSport KD aumentou de 120 para 145.900 pesos, 21,6%. O terceiro carro mais vendido para comerciantes foi o Peugeot 308, que passou de 120 para 146 pesos, representando 22,4%.  Enquanto isso, o Renault Duster aumentou de 110 para 135 mil pesos, 22,7%.

No entanto, o fraco desempenho do setor em janeiro monta um bom cenário geral, marcada por 791 mil unidades produzidas no ano passado, um aumento de 3,5% a partir de 2012. No varejo, houve registro de um recorde histórico. Diferente foi a situação no Brasil, onde as vendas de veículos novos no ano passado caiu 0,9%, a primeira queda em uma década. Para 2014, a estimativa da Anfavea, que reúne os terminais localizados no país, não é positiva.

O governo implementou nos últimos tempos várias medidas de política que impactaram a indústria automotiva. Em dezembro, o aumento da taxa nominal de imposto da Receita Federal de até 30% para os veículos com preços entre 170 e 210 pesos, e 50% para os carros cujo preço seja superior a 210 mil pesos, foi aprovado na produção industrial. De fato, um aumento no custo de 42,9 e 100%, respectivamente. Os analistas da indústria estimam que esta medida tem um impacto negativo sobre as vendas. O consultor Abeceb prevê que, sem o imposto, placas de veículos teriam aumentado 6% no primeiro trimestre, mas em vez disso aposta em uma queda de 21% para o mesmo período.

Por outro lado, o governo solicitou no mês passado que as empresas automotivas reduzam as suas compras no exterior. Pediu ainda, recentemente, para apresentar uma proposta visando financiar as suas compras de suprimentos e peças do exterior.

Tags: Argentina, carros, Desvalorização, exportações, importações, Produção

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.