Jornal do Brasil

Sábado, 24 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Economia

México tem nota elevada, mas economia não corresponde

Agências de risco tratam os países com critérios obscuros

Jornal do Brasil

O México teve sua nota elevada de "Baa1" para "A3" pela Moody's, enquanto Brasil tem uma nota dois graus abaixo, a Baa2, e ainda enfrenta ameaças de queda na nota em diferentes agências, mesmo que seus fundamentos econômicos não justifiquem uma queda. As motivações das agências de risco para aumentarem ou rebaixarem a nota de um país ou empresa sempre foram motivo de desconfiança e dúvida. Para economistas, a contraposição entre Brasil e México pode ser explicada pelas diferentes visões que investidores internacionais têm dos presidentes destes países, por exemplo.

A economia mexicana teve um desempenho pior que o brasileiro no ano passado, mas mesmo assim continua a atrair os investidores. A agência Standard and Poor´s, por sua vez, colocou a nota do pais "BBB" em perspectiva negativa em junho do ano passado e elevou o rating do México para BBB+. "Em nada eu invejo a situação econômica do México", comenta o economista Bruno Martarello de Conti, professor da Unicamp. 

Conti explica que a situação social do país vizinho dos Estados Unidos é um descalabro. O México se torna um país mais atrativo para o capital estrangeiro, contudo tem uma dívida pública controlada às custas de outros pontos essenciais. Dois terços da população mexicana, por exemplo, não têm seguridade social. 

Para a Moody's, o México mereceu a elevação na nota devido a quatro questões: aprovação de agenda de reformas abrangente, melhoria das perspectivas econômicas de médio prazo com maior crescimento potencial, corte de gastos do governo que reforça a perspectiva fiscal, e perfil de crédito global semelhante a países com rating "A". 

Conti acredita que a situação brasileira ainda é relativamente tranquila. Apesar da "pretensa crise dos emergentes" e da situação dos Estados Unidos, a vulnerabilidade externa ainda não é elevada. Em relação à dívida pública, ressalta, esta ainda é bastante baixa para os padrões internacionais. Ele recorda que no ano passado houve muita tempestade com os resultados fiscais, provocados por questões extraordinárias. A política fiscal brasileira, no entanto, é colocada pelos investidores e representantes de agências como principal entrave para o país, e também apontam um não esforço em promover reformas estruturais. 

"Esse jogo com as notas dessas agências tem como fundo a própria discussão sobre qual deve ser o papel do Estado na economia. Uma série de artigos busca apontar se existe relação ou não entre as notas e os fundamentos macroeconômicos", disse Conti.

Fernando de Mattos, professor do Departamento de Economia da Universidade Federal Fluminense (UFF), também reforça a credibilidade e motivação das agências de risco. Frisa que elas são levadas muito em consideração, mas que já erraram muitas vezes. A Islândia, exemplifica, tinha uma nota excelente e quebrou em 2008, devido a sua política voltada para o sistema financeiro - vulnerável à instabilidade do sistema financeiro americano. 

Essas notas, diz, costumam ser injustas com países periféricos e, quando a classificação é positiva, geralmente surge às custas de algumas desvantagens, como o corte de gastos de programas sociais e entrega de riquezas ao capital internacional, como o petróleo e outras commodities. "O receituário dessas agências foi o que nos levou à crise internacional que estamos vivendo", Mattos. 

O analista-sênior da Moody's, Mauro Leos, disse em entrevista à agência Bloomberg que, se em três anos a agência perceber que ações do México, vistas pela agência como uma promessa de resolução de problemas estruturais, o país pode ganhar um rating ainda maior. Mattos pondera que as reformas que o México realiza não significam garantia de bons resultados na economia. A questão seria que as agências têm uma preocupação especial com o país, por ele estar ao lado dos Estados Unidos e ter uma relação com os americanos bastante delicada.

Conti ressalta ainda que, enquanto Pena Nieto, presidente do México, tem uma imagem positiva com o mercado e se destacou durante a conferência em Davos, o mercado não tem uma imagem tão positiva da presidente Dilma, que se mostraria menos liberal que o mexicano, que desejaria um estado coordenador da economia, enquanto o presidente do México tem atendido ao lobby por um Estado mínimo. Pena Nieto, em seu primeiro ano de governo, adotou medidas consideradas importantes como a quebra do monopólio estatal na exploração de petróleo e maior competição no setor de telecomunicações. 

"Essa contraposição [entre Brasil e México], nos últimos meses, se tornou comum. A postura dos presidentes foram diferentes aos olhos do mercado. Isso ficou explícito em Davos. Toda a repercussão veio enaltecendo a postura mexicana, de Pena Neto, e criticando a Dilma. Essas agências todas, em grande medida, ouvem essa voz do mercado. É um círculo vicioso entre mercado e agências, o mercado se pauta pelas agências, mas as agências não são completamente neutras, e ficam atentas à percepção do próprio mercado", alerta Conti.

Tags: agência, brasil, méxico, nota, risco

Compartilhe: