Jornal do Brasil

Domingo, 23 de Novembro de 2014

Economia

CNC critica o aumento da taxa básica de juros

A decisão não terá efeito sobre a economia

Jornal do Brasil

A decisão do Banco Central de elevar a taxa de juro básica (Selic) em 0,5% não surpreendeu ninguém, segundo o boletim “Síntese da Conjuntura”, divulgado pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). A resenha econômica afirma que a decisão já era esperada para a mais alta taxa de juros do mundo, ficando atrás apenas da Croácia. “O anúncio do aumento já vinha sendo antecipando, nos últimos 30 dias, pela mídia, refletindo as pressões do sistema financeiro. O Banco Central simplesmente cedeu às pressões do mercado”, afirma o boletim.

De acordo com o informativo, a elevação da taxa de juros serve para frear a demanda agregada, quando há excesso de consumo ou investimentos e esse não é o caso do Brasil na presente conjuntura. O boletim afirma que o Banco Central está vendo um aquecimento econômico onde não existe. “A inflação brasileira, reforça o texto, há 10 anos gira em torno de 6%. É uma inflação institucional, do tipo inercial, que tem como causas básicas a política salarial, o déficit fiscal e a expansão de crédito dos bancos públicos (BB,CEF e BNDES)”, destaca o texto afirmando que sobre essas causas a elevação da taxa de juros não tem o menor efeito.

 O Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com o informativo, está estagnado em torno de 2% e a ação do BC vai dificultar ainda mais a possibilidade de crescimento econômico, por elevar o custo da produção e desviar recursos para aplicações financeiras de curto prazo, que poderiam ser destinados a investimentos. Em março de 2013, lembra o boletim, a Selic estava em 7,25% e a inflação anual em torno de 6% e o BC iniciou uma escalada de elevação da taxa que agora chega a 10,5% enquanto a inflação manteve o mesmo patamar nesse mesmo período.

O boletim afirma que o BC deve controlar a inflação porque o descontrole dos preços entrava o crescimento, mas a autoridade econômica quer fazer justamente o contrário. Segundo o informativo, o BC quer entravar o crescimento econômico para segurar a inflação. “É evidente que isso faz sentido”, ironiza o texto.

O limitado alcance da taxa de juros

O boletim ressalta o princípio básico de um dos fatores de geração de inflação que é quando a demanda agregada supera a oferta de bens e serviços, o resultado é uma alta geral de preços. “Nos últimos anos a demanda agregada tem sido puxada pela expansão do consumo e gastos públicos enquanto os investimentos estão refreados”, ressalta o texto. Essas considerações são importantes, de acordo com o boletim por identificar as causas da inflação, apontar a ação mais apropriada para controle da inflação e avaliar o alcance e a eficiência da política monetária.

“Conforme temos argumentado em boletins anteriores, não é difícil entender, na conjuntura atual, a baixa eficácia da política monetária, em termos de elevação da taxa Selic”, concluí o informativo.   

Tags: básico, de um, dos fatores, o boletim, o princípio, ressalta

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.