Jornal do Brasil

Terça-feira, 29 de Julho de 2014

Economia

Argentina flexibiliza medidas de controle de câmbio

Agência Brasil

O governo argentino liberalizou nesta sexta-feira (24) algumas medidas de controle de câmbio, impostas nos últimos dois anos, para frear a fuga de pesos. A partir de segunda-feira (27) os argentinos poderão comprar dólares (e outras moedas estrangeiras) pelo câmbio oficial, operação que tinha sido proibida em julho de 2012. 

O chefe de gabinete da Presidência, Jorge Capitanich, também anunciou a redução do imposto cobrado para compras feitas com cartão de crédito no exterior, de 35% para 20%.O anúncio foi feito dois dias após a maior desvalorização do peso em doze anos. A cotação do dólar oficial saltou de 6,8 pesos na terça-feira (21) para oito pesos na quinta-feira (23). No mercado paralelo, que cresceu nos dois anos de política de controle cambial, a cotação do 'dólar blue' (como é chamada a moeda comercializada no paralelo) passou de 11,8 pesos para 13 pesos.

As medidas fazem parte da política cambial de “flutuação administrada”, explicou o chefe de gabinete da Presidência argentina, em entrevista coletiva. “O governo considera que o preço do dólar alcançou o nível de convergência aceitável para os objetivos da política econômica”, disse ele.

Segundo o economista Fausto Spotorno, a intenção do governo é reduzir a brecha entre o dólar oficial e o paralelo, cuja cotação vem aumentando desde a implementação de rígidos controles ao câmbio. A primeira medida foi anunciada em outubro de 2011: quem quisesse comprar dólares na Argentina tinha de pedir autorização à Administração Federal de Ingressos Públicos (Afip), órgão equivalente à Receita Federal brasileira, e demonstrar que tinha pesos suficientes para realizar a troca.

“Os argentinos compram dólares há mais de três décadas porque acham que é a forma mais segura de poupar e preservar o poder de compra de seu dinheiro”, explicou o economista Marcelo Elisondo. “Não confiam nos bancos, porque o dinheiro deles já foi confiscado mais de uma vez e agora estão preocupados com a inflação”.

Em maio do ano passado, o ministro da Economia, Axel Kicillof, avaliou que os argentinos tinham US$ 40 bilhões guardados fora do sistema financeiro local: em cofres bancários ou em casa.

Em 2012, o governo limitou ainda mais as operações de câmbio: só podia comprar dólares quem viajasse ao exterior. Os argentinos passaram, então, a fazer viagens relâmpago aos vizinhos Paraguai e Uruguai, para comprar dólares no mercado oficial argentino ou sacar dólares nos caixas eletrônicos dos dois países para revendê-los no mercado negro. O governo apertou o cinto impedindo o uso dos cartões de débito argentinos no exterior e cobrando taxa de 35% sobre cada operação com cartão de crédito no exterior.

As medidas anunciadas nesta sexta-feira reduzem o imposto a 20% e autorizam a compra de dólares mesmo para quem não for viajar ao exterior. Os argentinos, no entanto, ainda precisam pedir autorização à Afip se quiserem fazer uma operação de câmbio. 

Tags: argentinos, Câmbio, economia, restrição, saques

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.