Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Economia

Brasil tem a resposta?, questiona 'NYT' ao analisar crescimento da classe média

Jornal do Brasil

O jornalista norte-americano Joe Nocera publicou um artigo, intitulado "O Brasil tem a resposta?", no jornal americano New York Times, na terça-feira (21), comparando fenômenos econômicos no Brasil e nos Estados Unidos. Após uma viagem ao Brasil, Nocera entrou em contato com alguns especialistas para compreender o processo econômico do país. Primeiramente, ele comparou o Rio de Janeiro com Xangai, com as evidências das desigualdades sociais e, ou mesmo tempo, um notório crescimento da classe média. "Carros estavam por todas as partes, engarrafamentos. Eu passei a acreditar que estes são sinais de uma crescente classe média. Isso significa que as pessoas têm dinheiro suficiente para comprar automóveis", descreveu Nocera em seu artigo.

Joe Nocera ressalta que o Brasil partiu de um ponto extremo, presenciou uma queda da desigualdade de renda na última década e viu o desemprego chegar a níveis recordes. "E o crescimento da classe média é bastante impressionante", compara ele, destacando ainda as estimativas governamentais que contabiliza mais de 40 milhões de pessoas que saíram da extrema pobreza também neste período. "A renda per capita continuou a crescer, mesmo quando o crescimento do PIB desacelerou", avaliou.

Os economistas entrevistados por Nocera disseram que esta condição de mercado deve ser um fenômeno de curto prazo na economia brasileira. Fizeram uma previsão de desaceleração do PIB, o que eles não esperavam acontecer tão rapidamente. Apesar dos enormes ganhos econômicos do país desde o início deste século, os ganhos de produtividade são baixos. Alguns especialistas disseram ao jornalista que o desemprego é a principal razão desta redução, já que a economia do país estava terrivelmente ineficiente.

Ao ouvir as avaliações dos economistas, Nocera disse que não poderia deixar de pensar sobre a economia dos EUA. "Nosso crescimento do PIB foi de mais de 4% no terceiro trimestre de 2013, e, é claro, a nossa produtividade tem aumentado implacavelmente. Mas, apesar do crescimento, o desemprego caiu apenas para menos de 7%, recentemente. E o crescimento da classe média é lenta, mas seguramente acontecerá, pelo menos em parte, por ganhos de produtividade. A desigualdade de renda tornou-se um fato da vida nos Estados Unidos, e enquanto, os políticos criticam esse fato, eles parecem incapazes de fazer qualquer coisa acerca disso", destaca o jornalista do NYT.

Nocera diz que o governo de esquerda do Brasil não gasta muito tempo com o crescimento somente, mas sim com as questões da pobreza e do crescimento da classe média. "Assim, ele tem um salário mínimo elevado, por exemplo.", destaca o artigo. Nocera cita ainda o bom desempenho do programa do governo brasileiro, o Bolsa Família. "Não há dúvida de que o Bolsa Família tem sido extremamente eficaz na redução da pobreza", cita ele.

Nocera diz que, por outro lado, nos Estados Unidos o Congresso se recusou a estender o seguro desemprego. A lei agrícola prevê um corte de cupons alimentícios. Vários outros programas de ajuda aos pobres ou desempregados foram reduzidos. "Assim, os Estados Unidos tendem a ver um crescimento econômico menos como um meio, mas como um fim que se encerra nele mesmo.

Tags: classe, crescimento, desigualdades, média, rousseff, sociais

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.