Jornal do Brasil

Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Economia

O livre comércio e a perda de empregos nos EUA

Jornal do Brasil

Quando o presidente Obama entregar o seu discurso de Estado da União referente a este primeiro mês do ano, ele certamente irá destacar a questão da crescente desigualdade econômica e argumentar sobre tais recursos como o aumento do salário mínimo. Ele pode ainda relacionar a proposta de parceria Trans-Pacífico (TPP), acordo de comércio que seu governo está negociando com 11 nações do Pacífico e para a legislação chamada fast-track, que limitaria a entrada do Congresso no acordo para facilitar a sua ratificação. As previsões estão no artigo do jornalista norte-americano Harold Meyerson, publicado na edição desta quarta-feira (15/1) do jornal Washington Post. 

Segundo o veículo, se Obama seguir o caminho esperado, ou seja, lamentar o aumento das desigualdades e promover mais um acordo de livre comércio, seu discurso irá avaliar um capítulo nos anais da autonegação. Até agora, mesmo os mais conservadores economistas de direita reconhecem que a globalização tem desempenhado um papel importante na perda de empregos industriais americanos e, mais amplamente, a estagnação dos salários e rendimentos dos EUA. O ex- vice do Federal Reserve, Alan Blinder, calculou que 22% a 29% de todos os empregos nos Estados Unidos poderiam ser adaptados. Isso representaria um monte de postos de trabalho: 25% se traduziriam em 36 milhões de trabalhadores cujos salários estão em concorrência com aqueles em grande parte as nações de baixa renda. Das 11 nações com as quais os Estados Unidos estão negociando a TPP, nove têm níveis salariais significativamente mais baixos que os americanos.

Os acordos comerciais que promovem o deslocamento de empresas norte-americanas das fábricas para países como China e México têm desempenhado um papel central na decadência da indústria americana e na queda dos rendimentos dos trabalhadores nos EUA. Dois em cada três trabalhadores de fabricação são deslocados e receberam novos postos de trabalho entre 2009 e 2012, segundo um relatório da The Bureau of Labor Statistics, que aponta ainda que as reduções salariais atingiu a maioria deles.

O texto do Washington Post diz que o argumento mais devastador contra este tipo de comércio é condizente com a ideia que os Estados Unidos entraram em relação ao último quarto de século, e de forma inadvertida os defensores de tais acordos que usaram o 20º Aniversário do Tratado de Livre Comércio da América do Norte, que entrou em vigor em 1 de Janeiro de 1994, para celebrar as suas conquistas. 

Meyerson diz que tem avaliado muitos editoriais comemorativos e discursos em louvor da NAFTA, e nenhum deles tem mencionado o efeito do acordo sobre o emprego nos EUA, os salários ou a balança comercial. Em outubro, o ex- presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, que foi um dos arquitetos da NAFTA na administração de George HW Bush, fez uma longa avaliação, mas evitou qualquer um desses tópicos. O campeão de evasão parece ser o secretário de Comércio Penny Pritzker. Em uma conferência em San Diego, em outubro, Pritzker disse a um repórter de uma rádio pública que não pensa sobre onde a NAFTA não cumpriu o seu papel. 

A única estatística na defesa do acordo que Pritzker citou nessa entrevista é que o volume total do comércio entre os três signatários da NAFTA já ultrapassa $1 trilhões por ano. O que ele não conseguiu observar, no entanto, é que o déficit comercial dos EUA com o Canadá e México aumentou de US $ 27 bilhões em 1993, o último ano de pré- NAFTA, para 181,000 milhões dólares em 2012.

Ao evitar a discussão sobre as consequências que o comércio provoca nas nações em desenvolvimento sobre os trabalhadores dos Estados Unidos, para não mencionar a nossa balança comercial, os defensores do livre comércio estão entregando-se ao pior tipo de impermeabilidade aos fatos, segundo as análises do jornalista. Mas, quando a defesa do livre comércio é acoplada com o caso para a criação de rendimentos para os trabalhadores norte-americanos, eles entram em uma zona onde os números são reais, e os americanos são reais. Nessa zona, o argumento para o tipo de acordo de livre comércio implantado pela NAFTA, as relações comerciais normais permanentes com a China e da parceria Trans- Pacífico sopra completamente. Tais negócios aumentam a renda dos norte-americanos que investem no exterior, mesmo quando eles diminuem a renda daqueles que trabalham em casa. Eles pioram a própria desigualdade contra a qual o presidente faz campanha.

Segundo o jornalista, há maneiras de uma nação desenvolvida negociar com o mundo em desenvolvimento sem a "evisceração" da sua própria economia. Ele citou que a Alemanha tem sido capaz de proteger seus trabalhadores, não só através da vantagem de ter o euro como moeda, mas também pela necessidade de suas empresas em dar espaço à opinião dos seus funcionários nas decisões de investimento, e também ao abraçar uma forma de capitalismo na qual os acionistas não desempenham um papel importante. Foram os Estados Unidos que adotaram essa forma de capitalismo das partes interessadas, em seguida, os seus acordos comerciais não vieram mais na necessariamente à custa de seus trabalhadores. Ausente tais reformas, no entanto, acordos comerciais só negam as nossas tentativas para diminuir a desigualdade.

Tags: CONGRESSO, desigualdade, econômica, Nações, Obama, pacífico

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.