Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Economia

Estagnação no mercado automotivo brasileiro atinge indústria argentina

Jornal do Brasil

As perspectivas para a indústria automobilística na Argentina para o novo ano não é animadora. Além do aumento de impostos internos para os veículos de luxo, o setor terá de enfrentar um fraco desempenho no mercado brasileiro, onde quase todas as exportações de automóveis argentinos são dirigidas. A avaliação é destaque no jornal La Nacion, nesta quarta-feira (8/1). 

Segundo o jornal argentino, nesta terça (7), a Associação dos Fabricantes de Veículos Automotores do Brasil (Anfavea) divulgou a projeção para 2014 e um fato que chamou a atenção foi a previsão de venda de carros no país, que deve crescer apenas 1,1% em relação a 2013. A situação fica mais grave se comparada a venda de veículos para o Brasil no ano passado: 0,9%. Esse foi o primeiro resultado anual negativo em uma década.

Pelas análises do La Nacion, o desempenho do mercado de automóveis brasileiro tem um impacto direto sobre os resultados da indústria local. Em dezembro, segundo a Associação de Fabricantes de Automóveis (Adefa), a produção de veículos no mercado interno caiu 26,4% em relação ao mesmo mês de 2012. Esta redução foi principalmente o resultado da baixa de 39,9% nas exportações. Segundo o relatório da Adefa, em 2013, 85,8% das exportações de automóveis da Argentina foi para o Brasil.

Quanto a produção e exportação de carros a Anfavea prevê uma movimentação também moderada. A organização acredita que em 2014 a produção de automóveis no Brasil vai crescer 0,7%, bem abaixo dos 9,9% de 2013.Quanto às exportações, é esperado um aumento de 2,1%.

"A evolução do mercado brasileiro não é o único fator que afeta os resultados do setor automotivo local, em 2013, apesar da queda nos últimos meses, os resultados positivos obtidos (produção para o ano inteiro cresceu 3,5% e as exportações cresceram 4,8%). O setor também está preocupado com os impactos que podem causar um aumento nas taxas de impostos especiais de consumo para os veículos que o governo considera de luxo", acrescenta o texto.

O veículo informa que a iniciativa do governo foi aprovada no Senado em meados de dezembro, aumentando para 30% a taxa para veículos com preço de fábrica entre $ 170.000 para $ 210.000, e 50% para os que ultrapassam este valor. E destaca também que o aumento de impostos afeta alguns modelos produzidos na Argentina, além do seu impacto ser sentido em modelos importados. Assim, a indústria está temerosa dos efeitos desse fenômeno, que pode provocar um grau de retaliação nos mercados-alvo dos carros produzidos no país.

Tags: exportação, impostos, negativo, resultado, veículos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.