Jornal do Brasil

Quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Economia

Postos de trabalho com carteira assinada crescem 3,1% em um ano, diz IBGE

Agência Brasil

Rio de Janeiro – O número de postos de trabalho com carteira assinada cresceu 3,1% em novembro deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Ao mesmo tempo, os empregos sem carteira assinada recuaram 12,2%, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), divulgada hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Outro ponto positivo do mercado de trabalho em novembro deste ano, que apresentou a taxa de desemprego mais baixa da série histórica iniciada em 2002 (4,6%) foi o aumento de 3% do rendimento real do trabalhador, entre novembro de 2012 e novembro deste ano. O valor atingiu R$ 1.965,20, também o maior da série histórica.

Apesar disso, não houve aumento dos postos de trabalho nas seis regiões metropolitanas pesquisadas pela PME, já que o número se manteve em 23,3 milhões em novembro. Segundo o IBGE, a redução da taxa de desemprego dos 4,9% em novembro do ano passado para 4,6% em novembro deste ano foi devido à entrada de 800 mil pessoas na inatividade. Ou seja, essas pessoas pararam de procurar emprego e, portanto, de pressionar o mercado de trabalho.

Segundo o gerente de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo apesar de não haver crescimento do número de postos de trabalho, houve uma melhora qualitativa. “Houve um aumento do número de empregos com carteira assinada e o rendimento do trabalhador atingiu um nível recorde”, disse Azeredo.

Entre os sete grupamentos de atividades pesquisados, os postos de trabalho mantiveram-se estáveis em cinco deles. Houve reduções dos postos apenas na indústria (-3,9%) e nos serviços domésticos (-12,2%).

“Essa queda da indústria, nesta época do ano, é um dado preocupante. Em relação à queda nos serviços domésticos, isso não é novidade. Tem a ver com aumento da escolaridade, com a oportunidade de trabalhar em outros nichos. O segmento já representou 7% a 8% do mercado de trabalho e hoje representa apenas 5%. Não vemos relação disso com a PEC das domésticas, já que essa tendência já vinha sendo observada antes”, disse Azeredo.

A média da taxa de desemprego para os 11 primeiros meses do ano é 5,5%. Como em geral, a taxa de dezembro é a mais baixa do ano, 2013 deve ter uma taxa média inferior à observada em 2012, que havia sido 5,5%.

Tags: brasil, carteira, economia, percentual, taxa

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.