Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Economia

Indústria da construção se mantém estável em novembro, informa CNI

Jornal do Brasil

A atividade da indústria da construção caiu em novembro para as empresas de pequeno porte, mas registrou crescimento nas grandes, revela a Sondagem Indústria da Construção, divulgada nesta terça-feira (17), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O nível de atividade atingiu 45,9 pontos nas pequenas e foi de 51,4 pontos nas empresas de grande porte no mês passado, resultando em estabilidade no setor, com 49,5 pontos. Os indicadores da Sondagem variam de zero a cem. Acima de 50 indicam crescimento e aquém representam queda na atividade ou abaixo do usual.

Em relação ao que costuma ocorrer nos meses de novembro, a atividade da construção, contudo, permaneceu desaquecida, atingindo 45,4 pontos comparativamente ao usual no mês, abaixo, portanto, da linha divisória dos 50 pontos. Caiu também, em novembro, a Utilização da Capacidade de Operação (UCO), variável que mede o percentual utilizado no mês do volume de recursos, mão de obra e maquinário, assinalando 70%, quando havia atingido, em outubro, o maior nível do ano, com 71%. Houve recuo igualmente no emprego, pois o número de empregados situou-se em 46,3 pontos, aquém da linha divisória dos 50 pontos.

Na perspectiva, em dezembro, para os próximos seis meses, os empresários da indústria da construção continuam otimistas, com índices acima dos 50 pontos tanto na expectativa do nível de atividade (55,6 pontos), quanto de novos empreendimentos e serviços (56,2 pontos), compras de insumos e matérias-primas (54,6 pontos) e contratação de empregados (54 pontos).  Todos estes quatro itens recuaram, porém, na comparação com novembro, significando que o otimismo está moderado este mês.

A pesquisa Sondagem Indústria da Construção, realizada em parceria com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), foi feita entre 2 e 13 de dezembro com 503 empresas, das quais 150 de pequeno porte, 230 médias e 123 grandes.

Tags: capacidade, confederação, industria, nacional, naval

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.