Jornal do Brasil

Segunda-feira, 23 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Quinteto Violado faz dois shows com sucessos que condensam quase 50 anos

Jornal do Brasil MÔNICA LOUREIRO, monica.loureiro@jb.com.br

Faltando pouco para se tornar “cinquentão” - são 47 anos de carreira, o Quinteto Violado se apresenta amanhã e sexta-feira, às 19h, na Caixa Cultural, no Centro. O show “Free nordestino” traz um apanhado da trajetória do grupo pernambucano, que estreou em 1971 com uma apresentação em Nova Jerusalém e, no ano seguinte, já lançava o primeiro disco. Entre as faixas, o álbum tem “Asa branca”, numa versão que o próprio Luiz Gonzaga afirmou ter o arranjo mais bonito que já tinha ouvido.  “Sempre digo que a sonoridade do Quinteto Violado tem como estrela-guia a música de Luiz Gonzaga. Mas foi por nosso diferencial de harmonia que fomos reconhecidos. Naquela época, Tinhorão, crítico musical temido e respeitado, disse que éramos um divisor de águas na música nordestina”, lembra o violonista e vocalista Marcelo Melo. 

Marcelo, Roberto,  Dudu, Sandro e Ciano revisitam trajetória em shows no Rio

Sobre o nome do show, é outro “resgate” na história do Quinteto, formado atualmente por Marcelo, Dudu Alves (voz e teclado), Roberto Medeiros (voz e bateria), Ciano Alves (flauta e violão) e Sandro Lins (baixo): “Quando Gilberto Gil voltou do exílio, ele viu nosso show e depois, quando Caetano perguntou a ele que tipo de música fazíamos, ele respondeu que era um tipo de ‘free nordestino’. Há uns três anos eu o encontrei e aproveitei para perguntar porque ele tinha dito aquilo. Gil disse que achava que o Quinteto carregava influências do mundo todo, como jazz, e agregava um valor especial à música do Nordeste, sem ser caricatural”, conta o músico. 

Há três anos sem lançar discos - o último foi “Quinteto violado canta Dominguinhos”, de uma série precedida por Adoniran Barbosa e Jackson do Pandeiro, Vandré e Gonzagão - o grupo tem várias músicas inéditas, mas vai optar pelos sucessos nas apresentações no Rio, onde não vinha há dois anos. “Em ocasiões assim, temos sempre de retornar ao início de carreira, cantando os clássicos, como  “Disparada” (Geraldo Vandré e Théo de Barros), “Algodão” (Luiz Gonzaga), “Xote das meninas” (Luiz Gonzaga), “Acauã” (Luiz Gonzaga) e “Sete meninas” (Dominguinhos e Toninho Alves)”, enumera. 

Marcelo diz que o Quinteto deve entrar em estúdio em setembro para gravar o CD que vai levar o nome de “O free nordestino do Quinteto Violado”. Enquanto isso, segue com shows e projetos como o “Encontro de gigantes” e os concertos-aula. “Fizemos shows em Pernambuco e no Rio Grande do Norte e temos muito interesse em levar essa turnê pelo Brasil”, comenta sobre a reunião do Quinteto com seus conterrâneos Som da Terra e Banda Pau e Corda, que também surgiram na década de 1970.

Sobre os concertos-aula, Marcelo diz o grupos percebeu, a certa altura, que sua música tinha também um aspecto pedagógico e educacional. “Então decidimos elaborar esses concertos-aula para mostrar à juventude essa identidade musical brasileira e despertar interesse para que saibam diferenciá-la da música de massa. Falamos, por exemplo, dos ciclos junino, natalino e carnavalesco, cada um ricos em gêneros e manifestações”, explica. 

Marcelo preocupa-se com a situação atual do Brasil: “Todas as expressões culturais são diretamente influenciadas pelo padrão educacional. Então, com o caos político e cultural, a situação se torna difícil, principalmente na questão de espaço, muitas vezes ditados pela mídia. Mas os artistas estão atentos e não param de produzir, sempre lutando contra as dificuldades”, observa Marcelo.  Cita ainda como exemplos de produções interessantes os trabalhos do grupo paulista 5 a Seco e do recifense Reverbo. “O Reverbo é, na verdade, quase uma cooperativa de compositores, que se reúne para tocar, trocar ideias e criar”, elogia Marcelo. 

__________

Serviço 

Free Nordestino - Show do grupo Quinteto Violado. Caixa Cultural/Teatro de Arena (Av. Almirante Barroso, 25 - Centro; Tel.: 3980-3815). Amanhã e sexta, às 19h. R$ 20 e R$ 10.



Tags: agenda, caixa, concerto, disco, música, programação

Compartilhe: