Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Cultura

'Amores maduros no Recife', destaca crítica sobre 'Amores de chumbo'

Jornal do Brasil RUDNEY FLORES*, especial para o JB

Ainda é pouco comum o cinema nacional apresentar roteiros completamente centrados em personagens mais velhos, ainda mais com histórias de amor. Esse é um bom diferencial de “Amores de chumbo”, primeiro filme de ficção da diretora pernambucana Tuca Siqueira, que destaca um triângulo amoroso entre pessoas maduras no Recife.

Aderbal Freire-Filho e Augusta Ferraz em atuações impecáveis no filme de Tuca Siqueira

Miguel (Aderbal Freire-Filho) e Lúcia (Augusta Ferraz) estão completando 43 anos de casamento e ainda demonstram muito desejo um pelo outro. Na festa de celebração da união, Miguel recebe a notícia do retorno inesperado de Maria Eugênia (Juliana Carneiro da Cunha), figura do passado do casal – melhor amiga dela, uma grande paixão da vida dele – que se exilou do país há mais de 40 anos, por causa da ditadura militar. Na sequência, um segredo do passado é revelado e abala uma estrutura familiar que parecia perfeita, trazendo ainda difíceis lembranças de um tempo nefasto da história do Brasil que alguns atualmente parecem querer ignorar.

A cineasta tem uma boa estreia com um trabalho delicado e sensível, que abre espaço para ótimas interpretações do trio central de atores, com destaque para Aderbal Freire-Filho. 

*Jornalista

____________

AMORES DE CHUMBO: *** (Bom)

Cotaçõeso Péssimo; * Ruim; ** Regular; *** Bom; **** Muito Bom

____________



Tags: amores de chumbo, cinema, crítica, cultura, filme

Compartilhe: