Jornal do Brasil

Sábado, 23 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Agora um trio, The Baggios assume temas mais espinhosos

Jornal do Brasil

Por nove anos, Julio Andrade guardou a dor para si. Ela escapulia, é claro. Saía extravasada, incontrolável, como um carro desgovernado em uma estrada estreita demais. Ao longo dos discos da The Baggios, banda de Sergipe com três álbuns de estúdio e um ao vivo, a memória daquele ocorrido brutal se aproximava cada vez mais da mão e da ponta da caneta no papel diante do compositor do grupo. Em Brutown, o mais recente trabalho de estúdio, lançado em 2016 e indicado para o Grammy Latino de disco de rock, a fúria tinha força demais para ser engolida de volta. O título do disco trazia, como referência, a brutalidade testemunhada pelo vocalista. A canção que detalha o caso de violência mais agudo vivido por Andrade, contudo, ficou fora daquela safra.

Mas encabeça, dois anos depois, o EP Juliana, liberado nas plataformas de música por streaming na semana passada. O trabalho apresenta três faixas inéditas, criadas nas sessões de Brutown, inclusive a faixa-título, a canção mais pessoal e íntima produzida por Andrade, um compositor acostumado a usar sua perspectiva com relação à cidade de São Cristóvão, onde nasceu e cresceu, localizada nas proximidade de Aracaju, a morada atual do músico, para refletir sobre o estado do mundo. Brutown questionava o entorno, o que via. Deixava, quase imaculada, uma porção do que ele sentia.

As músicas Era e Nó Cego abrem e fecham o EP, com o peso dilacerante do som que emaranha a guitarra de Andrade, a bateria de Gabriel Carvalho e Rafael Ramos, responsável pelos teclados e baixo, agora oficializado como o "terceiro elemento" da Baggios. "São canções com uma conexão forte com o Brutown", explica Andrade, "ao mesmo tempo que Nó Cego quando ela diz 'vou subir a serra e viver mais para mim." O próximo disco da Baggios deve chegar ainda em 2018.

Juliana, a música escolhida como a segunda do EP, é sobre a violência em estado extremo, bruto. Assustadora e aterradora. Era o nome da irmã de Andrade, vítima de feminicídio, nove anos atrás. Na noite de 29 de junho de 2009, uma segunda-feira, o ex-marido dela, separado há quase três meses, disparou contra Juliana, ex-sogra e ele próprio. Julio estava em casa, mas não se feriu. O assassino, levado ao hospital, morreu. A mãe se recuperou. Juliana não resistiu. "Não pôde nem sonhar / Não pôde ser feliz / Tentou até lutar / Havia um infeliz / Maldito infeliz", abre a canção. Chega a arrepiar. O refrão martela o lamento, em repetição: "Tanto tempo sem você". Por fim, Andrade suspira. Chama a irmã pelo apelido, "Nana", e encerra com seu nome, "Juliana". Fim.

"Fiz essa música para o Sina (o segundo disco, de 2013), mas não estava preparado para ela ainda. Era difícil reviver", explica o músico. "Com o tempo, fui entendendo mais a perda e mais a vontade de falar sobre o tema. O trauma vai diminuindo, né? A cicatriz fica, mas as feridas se tornam menos inflamadas."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Compartilhe: