Jornal do Brasil

Quinta-feira, 19 de Abril de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Richard Linklater acerta outra vez 

Ex-combatentes se reúnem em momento de dor para reaprender o significado da amizade

Jornal do Brasil Octavio Caruso *

“A melhor escolha (Last flag flying)” é o novo trabalho do diretor Richard Linklater, de “Boyhood” e “Antes do amanhecer”, mestre da simplicidade naturalista nos diálogos, ele retorna com a leveza habitual ao tema do comportamento humano, respeitando como sempre a inteligência do público. 

Na trama, adaptada do livro homônimo de Darryl Ponicsan, que continua a história já levada para o cinema em “A última missão”, dirigida por Hal Ashby, 30 anos depois de servirem juntos na Guerra do Vietnã, o ex-marinheiro Larry (Steve Carell, fora de sua zona de conforto cômica), consumido pelo sentimento de culpa, reúne seus antigos amigos, o irreverente Sal (Bryan Cranston) e o reverendo Richard (Laurence Fishburne), para enterrar o seu filho, um jovem que morreu durante a Guerra no Iraque. 

Laurence Fishburne, Bryan Cranston e Steve Carell atuam na trama inspirada no livro de Darryl Ponicsan

A jornada intimista do trio conduz a reflexões preciosas sobre os efeitos do conflito em suas psiques, a fragilidade alimentada por suas escolhas e renúncias ao longo da vida, com Richard representando a muleta da fé ponderada, enquanto Sal, anestesiado em sua rotina como dono de bar, trabalhado no roteiro também como alívio cômico, prefere o caminho imediatista do instinto. Os três encontraram, ao longo do caminho, formas distintas de lidar com seus traumas. 

Quando os amigos se permitem resgatar lembranças divertidas da ingenuidade de outrora, como a noite em que Larry perdeu a virgindade, o filme encontra o tom perfeito de saudosismo e camaradagem, favorecido pela química certeira entre os atores, com destaque para a extrema competência de Cranston em operar as várias nuances de um personagem complexo que vive o processo do luto. 

A filosofia nunca pretensiosa no texto de Linklater vai direto na ferida exposta, com utilização sensível do silêncio como forma de potencializar a dor nos rostos em planos fechados. A mensagem crítica contra os alicerces mentirosos do belicismo é poderosa, especialmente considerando o contexto político atual norte-americano. 

*cinevertigo@gmail.com



Tags: amizade, cinema, diretor, filme, produção

Compartilhe: