Jornal do Brasil

Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Tarantino comenta acidente de Uma Thurman em 'Kill Bill' e se defende de acusações

Thurman detalhou as acusações de assédio sexual contra Harvey Weinstein

Jornal do Brasil

A atriz Uma Thurman publicou em sua página no Instagram o vídeo do acidente de carro ocorrido durante as gravações do filme de Quentin Tarantino, "Kill Bill", divulgado anteriormente pelo jornal New York Times

"As circunstâncias do evento foram negligentes a um nível criminoso, mas não acredito que tenha havido intenções maliciosas", escreveu a atriz. "Quentin Tarantino ficou profundamente arrependido e sente remorso até hoje por esse acontecimento lamentável", completou Uma defendendo o diretor.

Em entrevista ao jornal americano, a atriz detalhou as acusações de assédio sexual contra Harvey Weinstein e afirmou que Tarantino não teria tomado as medidas necessárias para protegê-la no set de filmagens. Ela afirmou ainda que o diretor teria oferecido a fita com as imagens para que o caso fosse levado a público.

Para fazer a cena em "Kill Bill" na qual sua personagem aparece dirigindo com os cabelos ao vento, ela afirma que foi forçada a pilotar um carro com problemas de manutenção em uma estrada perigosa. Para a atriz, o comportamento imperdoável foi dos produtores Lawrence Bender, E. Bennett Walsh e Harvery Weinstein, a quem ela acusa de terem acobertado o caso. 

Uma afirma que foi forçada a pilotar um carro com problemas de manutenção numa estrada perigosa
Uma afirma que foi forçada a pilotar um carro com problemas de manutenção numa estrada perigosa

Em sua defesa, o diretor disse, em uma entrevista ao site "Deadline", que Thurman vinha conversando com ele sobre como se posicionar em relação ao caso Weinstein e sobre como levar a público os detalhes do acidente. Ele colaborou, encontrando a fita com as imagens.

"A questão é: Uma queria indiciar algumas pessoas pelo acobertamento. Parte do meu trabalho seria fazer uma entrevista com Maureen Dowd (autora do artigo do 'New York Times') e confirmar a história. Mas nunca nos falamos. Dowd e eu nunca nos falamos", explicou o diretor. "Eu li o artigo e basicamente pareceu que os outros caras arrumaram advogados, então o nome deles não aparece. E, ao longo da maior parte do texto de Maureen Dowd, eu acabei levando os golpes", completa.

Tags: assedio, cinema, cultura, kill bill, polemica, tarantino, uma

Compartilhe: