Jornal do Brasil

Terça-feira, 24 de Abril de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Astrologia: 2018 exige realismo e persistência

Vanessa Tuleski indica tendências na vida pessoal, na política e na economia

Jornal do Brasil

Foco e persistência devem ser as palavras-chave deste novo ano, de acordo com a astrologia. Se até 2017 o período foi de debates e conflitos de cunho ideológico, por exemplo, agora o astral é de mais prática e menos debate, aponta a astróloga do Personare, Vanessa Tuleski. No âmbito político e econômico do país, deve haver instabilidade no emprego, nas finanças e nas garantias dos trabalhadores, em um cenário acompanhado por uma inércia da população, que deve continuar até 2019.

"Para o geral, podemos dizer que Saturno em Capricórnio implicará em muito trabalho, persistir, saber o que se quer e fazer por onde. Ser realista e pensar no futuro", ressalta Vanessa Tuleski. De acordo com ela, serão mais cobradas pessoas do primeiro decanato de Áries (nascidos entre 21 a 30/03), Câncer (nascidos entre 21/06 a 01/07), Libra (nascidos entre 23/09 e 02/10) e Capricórnio (nascidos entre 22 e 31/12), que devem estar em momento de reformulações e começos. 

"O ano poderá trazer crescimento de terapias, pois as pessoas estarão em busca de transformação, com Júpiter transitando por Escorpião até o início de novembro. Em novembro, Júpiter ingressará em Sagitário, para passar um ano, quando então poderá haver uma expansão e melhora como um todo, que vai se refletir em 2019", indica Vanessa. 

"Saturno em Capricórnio implicará em muito trabalho, persistir, saber o que se quer e fazer por onde", sugere a astróloga

A astróloga do Personare explica que o ano de 2018 terá Saturno transitando por Capricórnio, depois de dois anos em que este planeta ficou em Sagitário, de 2015 a 2017. Nestes últimos anos, houve muitos debates e conflitos de cunho ideológico, religioso, cultural, com um aumento do conservadorismo. No Brasil, exemplifica Vanessa, houve relatos de perseguição religiosa e polêmicas em torno da exposição do homem nu no MAM de SP. 

"Capricórnio, se comparado com Sagitário, é muito menos teórico e mais prático, então o enfoque coletivo agora voltado para objetivos e a área profissional. Como conquistar e manter uma posição, e todas as questões ligadas a trabalho, gestão, competência", diz Vanessa.

Na área financeira e do trabalho, os astros não trazem boas notícias. Vanessa frisa que a Reforma Trabalhista, por exemplo, foi feita um pouco antes do ingresso em Urano no signo de Touro, em 2018, mas já em sintonia com este movimento. "Eventualmente, eventos relacionados a posicionamentos astrológicos importantes podem acontecer um pouco antes do ingresso oficial deles." Segundo a astróloga, Urano traz mudanças e instabilidade por onde passa. Já Touro é o signo do dinheiro. "Então este posicionamento aqui no Brasil tirou a estabilidade do emprego e vai pedir, durante sete anos a partir de 2018, mais criatividade para encontrar novas fontes de renda e a busca por novos estilos de vida. Também deverá começar a trazer as moedas virtuais e inovações no campo, agricultura e pecuária."

Da última vez em que Urano esteve em Touro, de 1934 a 1945, o primeiro mandato de Getúlio Vargas justamente criou a Justiça do Trabalho e instituiu o salário mínimo, recorda Vanessa. "Mais de 80 anos depois, tudo isto passou justamente por uma reforma, que tirou a estabilidade que foi criada naquele tempo, trazendo novas regras. A economia, regida por Touro, vai ter altos e baixos nos próximos 7 anos a partir de 2018, com destaque para 2020, ano com importantes mexidas econômicas e geopolíticas, quando três planetas irão se reunir em Capricórnio (Júpiter, Plutão e Saturno)."

O mapa do Brasil ainda reflete maiores complicações. "Para o Brasil, estamos sofrendo com um trânsito difícil de Netuno ao Sol do mapa da proclamação da independência. Este Sol ocupa Virgem, que rege os trabalhadores e também saúde e previdência. É justamente neste âmbito que estão se dissolvendo (Netuno) garantias, com propostas que sacrificam a população, aumentando o tempo de contribuição."

A astróloga ressalta que a "inércia e falta de debate com que o povo vem recebendo isto, aceitando a versão dos fatos que vem sendo dada pelo governo", também pode ser resultado do “efeito Netuno”, que deve ficar presente até os primeiros meses de 2019. "Este aspecto também está ligado aos escândalos políticos, em que figuras de autoridade que ocupam e já ocuparam posições de destaque (todas elas regidas pelo Sol, que recebe o trânsito) envolvidas em um verdadeiro mal de corrupção e descredibilização."

"O mapa de ingresso do Sol em Áries, feito para Brasília, e que marca tendências para um ano, de 20/03/2017 foi bastante difícil, com Plutão no Meio-do- Céu assinalando a crise, e o Sol na Casa 12 revelando os sacrifícios para o povo. No próximo mapa de ingresso do Sol em Áries, em 20/03/2018, vamos ter o revolucionário Urano na Casa 10, com uma tendência ao surgimento de candidatos com um perfil diferente do esperado se elegerem, como foi o caso da hipótese de uma candidatura do apresentador Luciano Huck."

O ano de 2018 deve ter ainda mais mexidas e mudanças em comparação com 2017. "Fortes oposições e debates ainda não ocorrer em 2018, também ao poder Judiciário, mas este vai continuar com grande destaque. Porém, parecerá haver uma melhora de vida para o brasileiro, com o surgimento de novas perspectivas, embora isto vá depender muito da capacidade em lidar com frustrações e questões de relacionamento em diversos âmbitos – profissional, familiar, afetivo."

A astróloga vê um potencial para o país ficar mais produtivo e "começar a tirar o pé da lama", mas os resultados só devem começar a aparecer em 2019. "Espera-se também que Júpiter, passando pela Casa 9 do mapa de independência do Brasil, finalmente traga alguns resultados em termos de justiça, tema desta casa."

Já no plano internacional, a astróloga indica que os conflitos devem continuar intensos, pela de Júpiter em Escorpião, que ainda podem ser amenizados com boas políticas e bons gestores. 



Tags: astrologia, economia, planetas, política, previsão

Compartilhe: