Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Espetáculo homenageia Clarice Lispector na Casa de Cultura

Jornal do Brasil

A Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ) recebe, na quinta-feira (14), às 21h, o espetáculo 'Circo para Clarice'. O evento ocorre no Teatro Bruno Kiefer. Inspirada na obra 'A Hora da Estrela', a peça faz uma homenagem aos 40 anos de lançamento do livro e ao aniversário de morte da autora, Clarice Lispector. O ingresso custa R$ 20 (inteira) e R$ 10 (estudantes, idosos e classe artística).

O espetáculo é uma livre adaptação de um dos títulos mais traduzidos de Clarice Lispector, além de crônicas, contos e trechos das cartas que a autora escreveu ao longo da vida para familiares. O diretor Bob Bahlis inspirou-se no filme de Suzana Amaral, de 1985, que, em novembro de 2015, entrou na lista da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) como um dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.

Escritora morreu há 40 anos, em 1977
Escritora morreu há 40 anos, em 1977

Bahlis foi diretor de 'Dez (Quase) Amores', texto de Claudia Tajes; 'Tedy, o amor não é para Amadores'; 'Um Hippie, Um punk e um Rajneesh', texto de Ricardo Silvestrin; 'Perto do Fim, Sylvia Plath'; 'Fossa Nova'; 'Filhote de Cruz Credo', texto de Fabricio Carpinejar; 'Pedro Malazarte', de Jorge Furtado; 'O Clube dos Cinco'; 'Homens'; 'Piá Farroupilha', texto de Carlos Urbim; 'As Mulheres que Amavam Gainsbourg'; entre outros.

A peça se passa dentro de um tipo de circo, quase melancólico, onde a história da nordestina Macabéa acontece. Outros personagens do livro também aparecem, como Olímpico, Glória e Cartomante.

Clarice Lispector

Nascida na Ucrânia, em 1920, e naturalizada brasileira, Clarice Lispector é autora de cerca de 26 obras, entre contos, romances e novelas. De família judia, a autora chegou ao Brasil com um ano de idade. Clarice falava: "Os que me lerem, assim, levem um soco no estômago para ver se é bom. A vida é um soco no estômago".

Uma literatura marcada por golpes, por uma mistura poética de palavras e silêncios e por personagens emblemáticos, Clarice escrevia com ironia e sadismo. Tocando em feridas da existência humana, sua escrita procurava causar desconforto no leitor.

Tags: brasil, cultura, grande, rio, sul

Compartilhe: