Jornal do Brasil

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017

Cultura

'E o mar já não existe' reestreia na Casa de Cultura Laura Alvim

Espetáculo aborda a violência em tempos de guerra.

Jornal do Brasil

Livremente inspirada no livro 'Um homem: Klaus Klump', do autor português Gonçalo M. Tavares, o espetáculo 'E o mar já não existe' reestreia em novo espaço a partir do dia 31 de outubro: a sala Rogério Cardoso, na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema.

Em cena, duas mulheres lutam para sobreviver em meio à guerra.  Escondidas em meio a escombros do que costumava ser um lar, ambas tentam seguir em frente quando o encontro com um soldado faz o cotidiano ficar ainda mais assustador: toda a bestialidade escondida no humano é revelada de maneira brutal. O episódio fará com que todos repensem o real sentido da humanidade e se questionem: é possível renovar as esperanças em meio ao caos?

No conflito, duas mulheres isoladas do mundo esperam por um milagre. Ele não vem. Um soldado em fuga abala seu pequeno mundo e as provoca a bradar pela vida
No conflito, duas mulheres isoladas do mundo esperam por um milagre. Ele não vem. Um soldado em fuga abala seu pequeno mundo e as provoca a bradar pela vida

O autor e diretor PV Israel revela que a dramaturgia é amparada em um trabalho de dramaturgia do ator, a partir do movimento e de ações físicas, que busca universalizar o tema da violência contra a mulher. O cenário da guerra aparece como uma hipérbole para os pequenos conflitos do cotidiano.

- A peça é atemporal: já aconteceu, acontece e vai acontecer. Na guerra, a mulher torna-se vítima de atrocidades que também acontecem em favelas do Rio, em condomínios de luxo e em empresas multinacionais. São histórias que se repetem o tempo todo.

A atriz Jacyara de Carvalho, intérprete e co-idealizadora do projeto, destaca que a criação através das ações físicas privilegia o estado latente de sobrevivência e urgência vivido na guerra.

- Fomos ao extremo da guerra, mas ela nasce de um sopro. Durante os ensaios, entendemos que nesse cenário de miséria, fome, violência, qualquer palavra a mais é desperdício de energia. O silêncio é estratégia de sobrevivência.

Para recriar esse ambiente, o grupo optou por uma encenação enxuta: todo o cenário e figurinos cabem em uma mala, privilegiando o corpo dos atores como motor para a representação.  

- Precisamos falar sobre os extremos. Em nosso cotidiano deixamos passar detalhes que permitem violências como a que é retratada no espetáculo. A universalização do assunto se dá nesse pequeno fragmento que é a peça. Se os espectadores saírem tocados e movidos a refletir juntos após as sessões, será ótimo – finaliza o diretor.

Ficha Técnica 

Direção: Pv Israel.  Elenco: Ana Pinto, Hugo Grativol e Jacyara de Carvalho.  Figurino: Maria Hermeto e Herika Reis.  Visagismo: Vanessa Andrea.  Cenografia: Cia Bagagem Ilimitada.  Trilha e Iluminação: Pv Israel.  Design Gráfico; Amanda Menezes e Kamila Mathias. Arte: Tiago Segundo. Fotografia: Heitor Muniz. Produção Executiva: Cia Bagagem Ilimitada. Assessoria de Imprensa: Ana Pinto

Serviço: 'E o mar já não existe'

Temporada: até 22 de novembro. Terças e quartas, às 20h

Local: Teatro Rogério Cardoso (Casa de Cultura Laura Alvim) - Avenida Vieira Souto,176, Ipanema

Ingressos: R$30 / R$ 15 (meia-entrada e lista amiga)

Classificação indicativa: 16 anos

Mais informações: (21) 2332-2016

Tags: conflito, crueldade, drama, dramaturgia, isolamento, klaus klump

Compartilhe: